10 passeios bem paulistanos para curtir no aniversário de São Paulo

•Janeiro 16, 2019 • Deixe um Comentário

Sao Paulo skyline at night in Brazil

 

No dia 25 de janeiro, a maior cidade do país vai comemorar seu 465º aniversário. Repleta de atrativos culturais, gastronômicos e tantos outros, São Paulo é um dos destinos mais variados do Brasil. Em homenagem à data, o WZ Hotel Jardins selecionou alguns dos melhores passeios para fazer na capital paulista:

 

Parque do Ibirapuera

Com mais de 150 hectares, o Ibirapuera é um oásis verde em meio ao concreto de São Paulo. Uma profusão de árvores, lagos, jardins e centros culturais, incluindo pavilhões projetados por Oscar Niemeyer, formam um dos ambientes mais agradáveis da cidade. O local é perfeito para passar o dia, fazer uma caminhada ou andar de bicicleta.

 

Avenida Paulista

avenida_paulista - foto wwikimediaPaulista, a mais paulistana das avenidas da cidade. Foto : Wikimedia Commons

 

O endereço mais paulistano da cidade, a Avenida Paulista é muito mais do que grandes prédios comerciais. Lojas, shopping centers, cinemas, restaurantes e cafés estão por toda a avenida, além de uma alta concentração de centros culturais. Aliás, o circuito cultural da Paulista inclui atrações imperdíveis: Museu de Arte de São Paulo (Masp), Japan House, IMS (Instituto Moreira Salles (IMS), Centro Cultural Fiesp, Itaú Cultural, Casa das Rosas e Sesc Paulista, só para citar alguns.

 

Centro

Com um rico patrimônio que revela a história de São Paulo em cada canto, o centro histórico da cidade reúne pontos turísticos como a Praça da Sé, a Praça da Repúblicaa,o Theatro Municipal, o Pateo do Collegio (local onde a cidade foi fundada) e o Farol Santander (Edifício Altino Arantes).

 

Bixiga

arcos do bixiga - foto wikimediaOs arcos são um chame da mais do bairro fundado por imigrantes italianos. Foto: Wikimedia Commons

 

Tradicional bairro fundado por imigrantes italianos, o Bixiga abriga uma charmosa arquitetura de sobrados coloridos, as famosas cantinas italianas, a escadaria do Bixiga, festas de rua, feira de antiguidades e vários teatros.

 

Liberdade

O bairro japonês é o melhor lugar de São Paulo para provar a culinária oriental, seja nos restaurantes ou na Feira da Liberdade, e comprar produtos típicos, de comidinhas a utensílios de cozinha, peças decorativas e cosméticos. As ruas da Liberdade são todas enfeitadas com as tradicionais lanternas vermelhas e os toris japoneses.

 

Mirantes

santander (1)

São Paulo vista do alto é ainda mais inesquecível. Admirada a partir de um dos mirantes da cidade, a imensidão de prédios por todos os lados é estonteante. Para isso, confira os mirantes do Farol Santander, do Terraço Itália, do Edifício Copan, do Sesc Paulista, do MAC Ibirapuera…

 

Mercado Municipal

Localizado na região da Rua 25 de Março, o Mercadão, como é mais conhecido, exibe uma bela arquitetura em estilo art déco, além de uma grande variedade de frutas, queijos, temperos, carnes, verduras… Não deixe de provar o pastel de bacalhau ou o famoso sanduíche de mortadela.

 

Vila Madalena

Conhecido como o bairro boêmio de São Paulo, a Vila Madalena é cheia de barzinhos. Mas vale curtir o bairro também de dia, quando é mais tranquilo. Há vários restaurantes, cafés descolados e lojinhas. Outro ponto imperdível é o Beco do Batman – todo grafitado, é como uma galeria a céu aberto.

 

Oscar Freire

São Paulo é uma cidade perfeita para fazer compras. Um dos endereços mais badalados para isso é a Rua Oscar Freire, onde estão lojas de renomadas grifes nacionais e internacionais. A região também é bem arborizada e segura, muito agradável para um passeio a pé, e repleta de restaurantes e confeitarias.

 

Vida noturna

A vida noturna de São Paulo é muito agitada, com várias baladas e barzinhos. Para isso, locais como a Vila Madalena, o Itaim Bibi, a Vila Olímpia e a região da Rua Augusta são ideais. A cidade também é conhecida pelos serviços abertos 24h por dia, como padarias, lanchonetes e até academias.

 

SERVIÇO

Onde ficar: WZ Hotel Jardins, Avenida Rebouças, 955, entre a Rua Oscar Freire e a Alameda Lorena, tels. (11) 3069-0000 e 0800-129422, site www.wzhoteljardins.com.br

wz

 

Com design moderno, o WZ Hotel Jardins é um marco arquitetônico em São Paulo, com sua fachada exclusiva com luzes LED coloridas, já premiada internacionalmente. O hotel está localizado em uma das áreas mais nobres da cidade: nos Jardins, ao lado da Rua Oscar Freire. Fica a poucos passos da Estação Oscar Freire do Metrô, facilitando o deslocamento de seus hóspedes aos principais pontos de interesse da cidade.

O WZ Hotel Jardins oferece acomodações confortáveis, restaurante de culinária contemporânea, cafeteria própria, bar, café da manhã completo, wi-fi gratuito e estacionamento no local. No entorno do hotel, estão lojas das principais grifes da moda e restaurantes que oferecem o melhor da gastronomia paulistana. O hotel também fica a poucos quilômetros do Aeroporto de Congonhas.

Fotos: iStock

 

Anúncios

Família no Parque traz atrações inéditas para a garotada em São Paulo

•Janeiro 14, 2019 • Deixe um Comentário

O Parque Cândido Portinari terá uma programação especial durante o feriado do aniversário de São Paulo, quando será palco de novidades com a cara do verão, como guerra de água, tobogã e festival de sorvete, entre outras atrações.

parque

Para fechar o período das férias com chave de ouro e muita diversão, o Família no Parque se instala no Parque Cândido Portinari de 25 a 27 de janeiro, período que oferecerá atrações para crianças de todas as idades. A edição de verão chega com novidades, tanto pela localização, ao lado do Parque Villa Lobos, quanto pelos brinquedos temáticos que prometem divertir e refrescar o visitante.

Entre os destaques estão o Bubble Soccer, também conhecido como Futebolha, no qual os participantes entram em campo vestindo uma bolha. Outro deles é o Archery Tag, que alia os conceitos do paintball e da arquearia em um jogo dinâmico em equipe em um espaço repleto de obstáculos para dar mais emoção à partida.

Bolha.jpg

Tem ainda o Aqua War. Mais conhecida como guerra de água, a brincadeira também inova o circuito, para divertir e refrescar com pistolas que disparam água a uma distância de até dez metros. Essas três atrações são levadas em parceria com a Bubble, empresa especializada em diversão não convencional.

O Bungee Trampolim, sucesso absoluto nas demais edições do Família no Parque, também está entre as opções de verão. Nele, a garotada pode abusar da criatividade e de suas habilidades para realizar acrobacias com segurança.

Os infláveis gigantes como o Galo e a Baleia não poderiam faltar na programação de férias. Assim como o Super Tobogã, que desta vez terá um atrativo a mais: o visitante vai escorregar na água. Então, a dica é chegar preparado para brincar e sair de lá molhado.

Tobogã.jpg

Além de todas as atividades, especialmente para as crianças entre 1 e 5 anos, o Família no Parque ainda apresenta a área kids, onde os pais podem entrar junto com os pequenos para brincar. O espaço possui pula-pula inflável, carrossel, cama elástica e escorregadores, entre outros brinquedos.

Parque - monitores.jpg

Há atrações gratuitas, como a sala de realidade virtual, cabine de fotos e pebolim humano, basta efetuar o cadastramento prévio no site e apresentar o voucher no evento.

Além da bilheteria no local, os tíquetes podem ser adquiridos com antecedência no link www.familianoparque.com.br.

SERVIÇO
Família no Parque: Parque Cândido Portinari, Avenida Queiroz Filho, 1.365, anexo ao Parque Villa Lobos, na saída do Metrô Villa Lobos ou pelo estacionamento principal do Villa Lobos.

Data: de 25 a 27 de janeiro de 2019.

Horários: das 10h às 20h.

Preços dos tíquetes: de R$ 5 a R$ 40, dependendo da brincadeira e de sua duração.

Formas de pagamento: dinheiro e cartões de crédito e de débito.

Telefone para informações: 11 3253-7148.

 

 

De Aleijadinho a Botero. Em Tiradentes, tudo de graça!

•Janeiro 10, 2019 • Deixe um Comentário

Salvador Dali - Instituto Mário Mendonça.jpg

Você já admirou de perto uma escultura de Salvador Dali, Auguste Rodin, Botero? Sim, esteve em um museu ou em uma exposição onde conseguiu ver obras desses artistas, após possivelmente ter enfrentado longas filas. Pois, ao contrário dessas cenas tão comuns em grandes mostras culturais, na mineira e histórica cidade de Tiradentes, poderá apreciar esses e muitos outros trabalhos de alguns gênios das Artes Plásticas da humanidade.  E o melhor: de graça.

O acervo que abriga as esculturas do artista catalão tido como um dos “pais” do surrealismo, do francês responsável pela criação de umas das esculturas mais famosas do mundo, “O Pensador”, e do artista colombiano criador de figuras “gorduchinhas” e roliças fica na casa do pintor Mário Mendonça, no Largo das Mercês, no centro histórico de Tiradentes.

Botero 1.jpg

Transformado em um instituto em 2011, o casarão que já foi um convento reúne cerca de 1.200 obras, entre telas de Guignard, Modigliani, Di Cavalcanti, Portinari, Tarsila do Amaral e Alfredo Volpi, além de gravuras, esculturas, tapeçarias, porcelanas… Mendonça mora no Rio de Janeiro, mas deixa sua casa (leia-se, uma pequena, mas milionária coleção de arte contemporânea) disponível para qualquer mortal que queira conhecê-la ao vivo e em cores.

Para isso, é preciso apenas dar um telefonema e agendar a visita. Normalmente, ela não será acompanhada por muitas explicações. Ao menos, que você tenha a sorte de encontrar o pintor carioca por lá – ele vai até Tiradentes pelo menos duas, três vezes por mês, onde permanece por alguns dias. Mesmo assim, vale lembrar que muitas das obras ali expostas dispensam qualquer palavra.

dom quixote

O acesso ao espaço é gratuito e vai te dar o direito de explorar e de se extasiar com a beleza das peças expostas no interior da casa, incluindo uma incrível coleção de desenhos e esculturas de Dom Quixote, o imenso e caprichado jardim onde outras esculturas se revezam e o próprio ateliê onde Mendonça desenha e faz suas telas, muitas delas retratando Jesus Cristo e temas bíblicos.

Nascido em 1934, o premiado artista plástico tem diversas pinturas descrevendo cenas da Via-Sacra expostas no interior de igrejas de diferentes cidades brasileiras. Mendonça também já fez individuais nas principais capitais europeias, incluindo em Sofia, na Bulgária, onde, segundo afirma, continua sendo até hoje o único pintor brasileiro a expor naquele país.

Na cidade e em seu arredor

E, se você é um amante de arte, saiba que não muito distante do Instituto Mário Mendonça fica o ateliê de Sérgio Ramos, onde as telas de diferentes tamanhos do arquiteto e artista plástico ficam expostas e podem ser conhecidas. Assim como na visita à casa de Mendonça, é recomendável verificar o horário e os dias de funcionamento do espaço antes de ir até lá.

sérgio ramos

Nascido em 1969 em Guaratinguetá, no interior do Estado de São Paulo, Ramos já participou de aproximadamente 70 exposições no Brasil e no mundo. Suas telas surgem, na maioria das vezes, em tons azuis, alaranjados e terrosos. Elas retratam cenas do cotidiano, de modo figurativo e com imensa riqueza de detalhes. São casas, igrejas, árvores, instrumentos musicais, bicicletas…

tela 2

Temas que sempre recebem um toque lúdico do artista plástico paulista, instigando a imaginação do observador a explorar com maior atenção, carinho e bastante calma os pormenores retratados nos seus trabalhos. Se gostar do que viu, pode adquirir um deles na pequena galeria, assim como também comprar cartões com pinturas de Ramos, para enviar aos familiares e amigos. Ou, simplesmente para guardar de recordação.

ateliê e galeria sergio ramos foto denise ramos

E se você não se importar em ir até os arredores de Tiradentes, poderá conhecer o ateliê do pintor José Luiz Rocha. O espaço fica em Bichinho, um distrito da vizinha cidade mineira de Prados. E, mesmo pertencendo a outro município, este pequenino “bairro” fica mais próximo do centro de Tiradentes (está a uns quatro quilômetros de distância) do que de sua terra natal.

Só pela beleza e pelo charme deste bucólico cantinho rural das Gerais, a visita já vale a pena. Quanto à galeria, é graciosa, ampla e arejada, integrando-se harmoniosamente com a linda paisagem local que a abraça. Em seu interior, enquanto escuta os passarinhos, você vai poder explorar uma grande quantidade de obras do artista plástico nascido em Belo Horizonte (MG) em 1957.

Fachada do Ateliêr de Luiz Rocha em Bichinho.jpg

São pinturas abstratas, de temas variados e produzidas com técnicas mistas (algumas lembram as do Impressionismo), além de objetos decorativos e móveis restaurados por Rocha. As coleções preenchem os diferentes ambientes do ateliê, onde ficam permanentemente expostas e podem ser adquiridas.

Além de suas criações, o pintor mineiro também desenvolve um trabalho social, ensinando crianças e jovens da região a produzirem a sua própria arte. Antes de ir até ao ateliê, porém, também é interessante se certificar os dias e os horários de funcionamento do espaço, que está situado a poucos metros de distância da Casa Torta, uma divertida e colorida residência que exibe curiosas curvas e detalhes arquitetônicos.

Matriz de Santo Antônio - iStock.jpg

De volta a Tiradentes, vá até a Matriz de Santo Antônio, no centro histórico. A igreja, que começou a ser construída em 1710 e cujas obras demoraram 40 anos para serem concluídas, teve a sua fachada modificada em 1810 por Aleijadinho, um dos principais escultores, arquitetos e entalhadores do Brasil colonial.

Além de seu estilo barroco e da mais de meia tonelada de ouro que exibe em seus altares, a matriz guarda ainda antigas imagens de santos, detalhes em madeira entalhados em estilo rococó. Tem a pintura do seu teto e de sua sacristia assinada pelo artista Manuel Vítor de Jesus e um relógio de sol construído em 1725. Criado em pedra sabão, é um dos símbolos da cidade.

Na balaustrada do coro da igreja está um órgão trazido de Portugal em 1788. Às sextas-feiras à noite é possível assistir um espetáculo de luz, com roteiro narrado e de sons produzidos pelo antigo instrumento – os ingressos para o concerto podem ser adquiridos na igreja (tels. 3355 1238). Crianças de até cinco anos não pagam. Boa viagem ao mundo mágico das artes!

 

SERVIÇO

Instituto Mário Mendonça: Largo das Mercês, 149, centro histórico de Tiradentes, tel. (32) 3355 1260, site www.mariomendonça.com.br.

Ateliê e Galeria Sérgio Ramos: Rua da Câmara, 83, centro histórico de Tiradentes, tel. (32) 3355 2690, site www.atelierdoarquiteto.com.br.

Galeria Bichinho – José Luiz Rocha: Rua São Bento, 415, bairro Gritador, Bichinho, Prados, tels. (32) 98509 7748 e (31) 99582 5957.

Matriz de Santo Antônio: Rua Padre Toledo, centro histórico de Tiradentes. Visitação diária, incluindo em feriados, das 9h às 17h.

Janeiro tem Verão Retrô no Hotel Estância Atibainha

•Janeiro 2, 2019 • Deixe um Comentário

Atibainha

Janeiro é o mês para levar a criançada curtir as férias perto da natureza, relaxar, fazer novas amizades e se divertir muito com a família. O Hotel Estância Atibainha Resort & Convention, bem pertinho da capital paulista, é uma das melhores opções de hospedagem para deixar a criançada e os pais felizes.

O Atibainha é um verdadeiro resort com jeito de hotel fazenda. Com uma área verde de mais de 900 mil m², possui bosques, trilhas ecológicas, tirolesa, Escape Atibainha, trenzinho, lagos para pesca e pedalinhos, cavalos e charretes para passeios e piscinas cobertas e climatizadas, entre outras atrações.

Para os pequenos há a brinquedoteca, a Estação Criança, a Vila das Bonecas, um salão de jogos e até um Castelo Medieval. Em janeiro, a Turma do Atibainha capricha na programação de lazer que neste verão está com uma pegada retrô, com brincadeiras de antigamente, como amarelinha, pega-pega, telefone sem fio, queimada e desafio de damas. Oficina de pipas, de bolha de sabão gigantes e de barcos de papel também estão previstas.

Assim como estão programadas atividades com um biólogo. Por meio de atividades bem interessantes, ele vai ensinar a criançada a respeitar a natureza e os animais. Tem ainda o Momento Animal, Minha Primeira Horta e Cientista Maluco. Um astrônomo, por meio de jogos, brincadeiras, irá revelar vários segredos do Universo. E pais e filhos têm encontro marcado com o consultor Silvio Acherboin e sua oficina de miniplanadores.

O campeão brasileiro de cubo mágico, Renan Cerpe, também vai estar no hotel para ensinar adultos e crianças a resolver os desafios desse brinquedo que virou mania nacional. E toda segunda-feira é Dia do Circo, com oficinas e apresentações.

Já os adolescentes irão participar de uma oficina com DJs, na qual vão aprender técnicas e como utilizar os equipamentos. Por sua vez, os adultos vão se divertir com a Hidro Axé Nostalgia e as brincadeiras do Show do Milhão e Qual é a Música. Nas férias também acontece uma deliciosa palestra sobre mundo dos vinhos com degustação.

Não é só. Tem também ordenha, passeio de trenzinho, caminhada pelas trilhas, torneios esportivos e atrações musicais ao vivo com shows divertidos e até baladas. Sem falar nos jantares temáticos, churrasco à beira da piscina, feijoada e uma grande variedade de pratos japoneses todos os dias durante o almoço.

Promoção e desconto progressivo: em janeiro, o Atibainha está com diárias a partir de R$ 1.073 o casal com todas as refeições incluídas (café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar). Famílias hospedadas no chalé standard ganham cortesia para uma criança de até 12 anos. Já reservas no chalé Family dão direito a cortesia para duas crianças de até 12 anos, desde que acompanhadas de dois adultos pagantes.

E, nas férias, quem ficar mais dias ganha descontos progressivos: reservas de três diárias têm 5% de desconto. Quatro dias ganha 10%. Cinco a seis dias, 15% de desconto. A partir de oito diárias, 20% de desconto. Além disso, o hotel não cobra taxa de serviço, o que torna o pacote ainda mais atraente.

Informações: tels. (11) 2075 7200, (11) 4597 3400 e no site www.atibainha.com.br

Ano Novo, entrar com o pé direito

•Dezembro 31, 2018 • Deixe um Comentário

Antigas civilizações já cumpriam rituais na passagem do Ano Novo, expressando o seu desejo de renovação por meio de ritos. O Brasil é herdeiro dessas tradições.

Fogos - Fim de ano Foto Pixabay.jpg

 

Por Fabíola Musarra

Dia 31 de dezembro. O calendário marca o último dia do ano. Em todo o Brasil, assim como nos demais países do mundo, o clima de festa leva multidões para as ruas. Com o coração repleto de esperança, elas aguardam o nascer do novo ano. As comemorações acontecem em todas as regiões do País, mas cada uma delas tem seu estilo próprio de festejar a data.

Enquanto no Norte e no Nordeste brasileiro as festas são embaladas pelo axé, forró, maracatu, frevo, samba e pagode; no Sul e no Sudeste País (especialmente nas cidades do interior), elas se destacam pela caprichada decoração e iluminação de Natal que enfeitam as cidades até o Dia dos Reis Magos, em 6 de janeiro. Porém, tanto no Norte ou no Sul quanto no Leste ou no Oeste, o Ano Novo é sinônimo de renovação.

Lentilha - Foto Pixabay.jpg

É hora de fazer planos e se cercar de simpatias para garantir que os próximos 12 meses tragam paz, saúde, prosperidade e amor. Alguns comem lentilhas, uvas e romãs. Outros se vestem de branco, sobem em banquinhos e se apoiam no pé direito à meia-noite. Afinal, vale tudo para assegurar um ano melhor. Toda vez que chega o dia 31 de dezembro, esses rituais se repetem, mas a maioria das pessoas desconhece a sua origem.

Ritos e superstições

Antigas civilizações já acreditavam em várias dessas superstições e expressavam o seu desejo de renovação por meio de ritos. No último dia do ano, jogavam fora roupas e objetos crendo que com isso estavam eliminando tudo que era velho de suas vidas. Ainda no primeiro dia do ano, escalavam uma montanha alta para ver uma paisagem diferente ou banhavam-se, em um rio ou no mar, para acolher o novo tempo que havia chegado.

Dos primórdios da humanidade aos dias atuais, esses e outros rituais foram sendo adotados pelos povos. Com as imigrações para outros países, essas tradições seguiram junto com eles, desembarcando na nova terra, onde num processo de aculturação, ganharam vida própria e características peculiares em cada um dos cantos do mundo. O Brasil não foi uma exceção: ao longo de toda a sua história, incorporou muitos desses ritos à sua cultura.

Pular ondas - Foto Pixabay.jpg

A roupa branca do Réveillon, por exemplo, é uma influência das tribos africanas. Para os negros que vieram ser escravos no Brasil durante os períodos da Colônia e do Império, a cor branca tem o significado de paz e purificação. Também pular as sete ondas do mar é uma tradição africana ligada à umbanda e ao candomblé.

O sete é um número considerado sagrado por essas religiões. Assim, pular sete ondas é invocar os poderes de Iemanjá. Com o ritual, a rainha do mar estaria limpando a aura e o corpo de seus filhos, além de renovar as suas energias, dando-lhes força para vencer os obstáculos do próximo ano.

Do traje branco a outros curiosos rituais, como comer determinadas alimentos, evitar outros por acreditar que eles fazem a vida andar para trás (por crer nisso, muita gente não come nada que cisque no dia 31), os ritos e superstições já fazem parte da passagem de ano dos brasileiros. Quem nunca comeu lentilha nessa data? Pois, uma colher de sopa é o suficiente para assegurar um ano inteiro de muita fartura na mesa. A origem desta superstição é italiana e foi trazida para o Brasil pelos imigrantes.

Videira

Comer romãs e uvas também é outra das tradições que nasceram na Europa. Os portugueses, por exemplo, comem bagos de uva na quantidade equivalente ao seu número de sorte, tudo para garantir a prosperidade e a fartura. Já as nozes, a avelã, a castanha e a tâmara embarcaram em terras tupiniquins pelas mãos dos imigrantes de origem árabe e são recomendadas para assegurar a fartura.

Nozes e avelãs - Foto Pixabay.jpg

Entrar o Ano Novo com o pé direito tem sua origem na época do Império Romano. A expressão surgiu como consequência de uma instrução dos sacerdotes para os convidados que fossem entrar em um salão, a fim de evitar má sorte. Antes dos romanos, outros povos, como os egípcios, os celtas e os gregos, já viam o lado direito do corpo humano como positivo e associado a bons augúrios, em oposição ao esquerdo (já no Extremo Oriente, o lado esquerdo é o considerado favorável).

Origens à parte, o fato é que num país colonizado por tantos povos de religiões, costumes e culturas diferentes jamais deixaria de incorporar esses rituais e superstições ao seu dia a dia. E, na virada do ano, eles pipocam em todas as casas, praias, metrópoles e vilarejos rurais, ganhando características bem verde-amarelas em todo esse imenso território chamado Brasil.

Festa da uva é atração de férias em Jundiaí, em São Paulo

•Dezembro 29, 2018 • Deixe um Comentário

Videira

 

Por Elíria Buso

 

A história e o desenvolvimento de uvas em Jundiaí têm um início curioso. Foi a partir de uma mutação somática espontânea da uva niágara branca, ocorrida no bairro de Traviú, em 1933, que surgiu o tesouro da cidade: a niágara rosada. Foi espécie que motivou a realização da primeira Festa da Uva, evento que tem como objetivo divulgar a fruta, tipicamente brasileira .

Desde seu início, a festa e o próprio cooperativismo da região têm transformado a cidade. O local que até então era conhecido como uma região onde desembarcavam famílias italianas, se expandiu e agora é polo não só de tradição, como também de cultura, turismo e gastronomia.

Hoje, Jundiaí já pode ser considerada uma das opções para os viajantes que buscam tanto bons restaurantes, como passeios turísticos e festas. O local possui seis rotas turísticas: as rotas Turística Castanho, do Centro Histórico, da Cultura Italiana, a da Terra Nova, a da Uva e a do Vinho. Abriga ainda diversos restaurantes, cantinas e adegas, que vendem produtos artesanais, como doces, geleias, vinhos, espumantes e cervejas.

A cidade também possui outras atrações, como passeios ciclísticos, pontos turísticos e é próxima de locais como o parque aquático Wet’n Wild, Hopi Hari e dos aeroportos Viracopos, em Campinas, e o de Congonhas, em São Paulo. A cidade também possui estações rodoviária e ferroviária.

E para quem gosta de festa, cultura e gastronomia, entre os meses de janeiro e fevereiro, acontecem a 36ª edição da Festa da Uva e a 7ª Expo Vinhos. Os eventos terão uma série de atrações como exposições e premiações de uvas, carros antigos, artesanatos e orquídeas, cortejos e atrações circenses, festival de bandas, workshops enogastronômicos, além de passeios turísticos e ciclísticos.

E, como não poderia deixar de ser, também será realizada a tradicional cerimônia da pisa da uva. Ela vai ocorrer aos sábados e domingos, às 14 h.oras Na alegre iniciativa todos são convidados a dançar nas tinas sobre a uva, como nas antigas tradições da produção de vinho.

Essa é uma sugestão indicada para quem quer conhecer a história local, as comidas mais procuradas da região, os agricultores e produtores de vinho, os rótulos de bebidas e até mesmo para quem deseja levar uma parte dessa nova cultura para casa.

 

O que fazer em Jundiaí

Para quem pretende curtir a cidade nas férias e aproveitar a Festa da Uva, uma das opções é permanecer em Jundiaí por três dias. Para quem escolhe esse tipo de roteiro é possível visitar um restaurante à noite, e, no dia seguinte, conhecer um dos parques próximos à cidade. E aproveitar o domingo para ir até a Festa da Uva.

Entre as opções de restaurante estão O Italianão, que tem rodízio de camarão, por R$ 59,90 por pessoa, o Beraldo Di Cale, com comida típica italiana da fazenda, com especialidades como o risoto caipira de bacalhau e as costelas suínas a moda do chef. Outra opção é o complexo turístico e gastronômico Villa Brunholi.

Segundo Paulo Brunholi, o CEO do empreendimento, o complexo é indicado para todo perfil de visitante. “Aqui, todas as pessoas são atendidas. No cardápio temos o café da manhã, com mais de 60 itens. Também temos rodízios de massa e de parmegianas. O espaço conta ainda com museu do vinho, adega, brinquedoteca, espaço de descanso e fazendinha”, afirma.

Entre as adegas estão a Martins, a Maziero e a famosa Casa Cereser, com opções de espumantes, vinhos e outros produtos como suco de uva e molhos, por exemplo. Já os pontos turísticos, que estão divididos entre o centro da cidade e os bairros rurais, estão fazendas, como a do Português, comandada por mulheres, a Catedral Nossa Senhora do Desterro e o Jardim Botânico.

Para quem ficar na cidade mais dias, entre as opções de estadia estão o Adágio, Quality Hotel e a rede de hotéis Ibis. Uma novidade na cidade é que alguns hotéis oferecem valores mais baratos aos finais de semanas.

 

SERVIÇO

Festa da Uva de Jundiaí

Dias:  17,18,19,20 e 25,26 e 27 de janeiro. Em fevereiro, dias 1º, 2 e 3.

Horários: Quinta-feira (17), às 18 h. Sexta-feira, das 18h às 22h. Sábado, das 10h às 22h. Domingo, das 10h às 20h.

Local: Parque Comendador Antônio Carbonari, Parque da Uva, Av. Jundiaí s/nº.

Informações pelo telefone (11) 4589-8580.

Entrada gratuita

Ação solidária de um quilo de alimento não perecível

 

 

 

 

 

 

Tiradentes reverencia ícone da gastronomia mineira

•Dezembro 27, 2018 • Deixe um Comentário

Ao completar 300 anos, a cidade histórica das Gerais respira novos ares e inaugura roteiro que privilegia o emblemático queijo de Minas.

 

Queijio

 

Por Fabíola Musarra

 

Tiradentes é surpreendente. Quando a gente pensa que já conheceu tudo que a cidade histórica de Minas Gerais pode proporcionar, de seu preservado passado dos tempos coloniais e de Brasil Império a sua excelente gastronomia, o pequenino município se reinventa e inaugura uma nova faceta: desde setembro, oferece aos turistas memoráveis passeios pela sua zona rural.

Por ela espalham-se dezenas de pequenos produtores, onde o “tiquim” de prosa e a degustação das delícias artesanais feitas na terra são obrigatórias. Os circuitos de puro sabor e absoluta poesia merecem ser sorvidos com calma, enquanto a gente conhece a história de vida de pessoas simples que diariamente ajudam a desenhar o País ao mesmo tempo em que observa bucólicos cenários campestres.

No momento, Tiradentes oferece dois roteiros em fazendas rurais da região de Campo das Vertentes: a Rota dos Queijos Artesanais e a Rota do Sabor, ambos comercializados pela Uai Trip, uma das agências de turismo locais. Os tours têm duração mínima de 50 minutos, dependendo do número de propriedades que se visite. O primeiro pode ser feito em van, enquanto o segundo também pode ser percorrido de bike. Ambos são acompanhados por guia.

Lançada na última Abav, em São Paulo, a Rota dos Queijos Artesanais merece destaque. Embora recém-nascida, conquistou, em dezembro, a medalha de prata do Prêmio Nacional do Turismo 2018, sendo uma das 208 propostas selecionadas pelo Ministério de Turismo, criador da iniciativa que visa valorizar e disseminar práticas inovadoras de profissionais e instituições das áreas pública, privada e do terceiro setor que contribuam para o desenvolvimento do turismo no País.

“Ganhamos na categoria Turismo de Base Comunitária e Produção Associada ao Turismo”, orgulha-se Dalton Cipriani, um dos “pais” do roteiro e proprietário da Uai Trip. O passeio é feito na região de Campo das Vertentes, berço histórico do queijo artesanal de leite cru e por onde se distribuem 35 queijeiros. “Durante o trajeto, oferecemos uma imersão na história e na cultura da produção artesanal de queijos de Minas, um dos mais emblemáticos ícones de nossa gastronomia”, conta o empresário.

As características – O queijo artesanal de Minas é feito com a mão de obra familiar, tem produção em baixa escala e utiliza leite cru (não é permitido o pasteurizado). E, mesmo tendo receitas semelhantes, cada microrregião produtora das Gerais tem a sua identidade própria, o que confere aos queijos características únicas de origem – a principal diferença está no microclima de cada lugar. Também as combinações de solo, a vegetação e o ambiente microbiano garantem particularidades de cada queijo.

Atualmente, Minas possui algo em torno de 27 mil produtores, dos quais mais de 10 mil estão divididos nas microrregiões já certificadas: Araxá, Cerrado, Canastra, Serro e o Triângulo Mineiro e Campo das Vertentes. Esta última compreende os municípios de Barroso, Conceição da Barra de Minas, Coronel Xavier Chaves, Carrancas, Lagoa Dourada, Madre de Deus de Minas, Nazareno, Prados, Piedade do Rio Grande, Resende Costa, Ritápolis, Santa Cruz de Minas, São João Del Rei, São Tiago e Tiradentes.

Por enquanto, nem todos os produtores de Campo das Vertentes são visitados. Isso porque alguns ainda estão se adequando aos processos de legalização – para produzir o queijo artesanal, é necessário cumprir rígidas normas estabelecidas por órgãos públicos das áreas de saúde e vigilância sanitária, como os cuidados com o gado, com o controle de parasitas, com a extração e o manuseio do leite, com o armazenamento do produto… Porém, cinco deles já estão aptos a receber turistas.

Em Coronel Xavier Chaves, uma das cidades contempladas pelo roteiro, João Dutra é um deles. O queijeiro é um dos mais antigos e tradicionais produtores da região. Ainda, agora, a sua fazenda preserva o jeito e as técnicas de fazer os queijos artesanais que eram utilizados pelos seus familiares vindos dos Açores (Portugal) no século 17, num ritual que se repete e que é transmitido de pai para filho há oito gerações.

 

 

Com uma produção aproximada de 900 queijos por mês, a fazenda fabrica o Catauá. Feito com leite in natura de vacas da raça jersey (antes era com o da raça caracu), o produto de interior macio e cremoso, meia-cura ou maturado, é rico em caseína. Esta proteína, ao lado do pasto que o gado jersey tanto gosta, confere a este tipo de queijo um alto teor de gordura e um sabor rico e único.

O “dedim de proseio”, a hospitalidade mineira e a degustação de um premiadíssimo queijo artesanal também fazem parte da visita à propriedade de Lúcia Resende. A produtora já conquistou o primeiro lugar em vários concursos regionais e estaduais, além de ter arrebatado o bronze na terceira edição do evento francês Mondial du Fromage et des Produits Laitiers (Queijo Global e Produtos Lácteos), em competição realizada em Tours, na França.

 

Lúcia e sua família fabricam o queijo artesanal Sabores do Sítio, no Sitio da Conquista, na zona rural de Tiradentes. O produto também é feito com o leite cru de vacas da raça jersey. Na pequena propriedade familiar são fabricados em média dez queijos por dia. Eles são comercializados no sítio e em cidades da região, além de na feira de artesanato, realizada aos fins de semana no centro da cidade.

 

 

Para produzir o Sabores do Sítio, Lúcia é assistida pela Embrapa e pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG), que acompanha todas as etapas de produção, da adubação e alimentação do rebanho até a obtenção de crédito rural, fornecendo ainda orientação sobre adequações das queijarias, currais e anexos, controle sanitário do rebanho, obtenção higiênica do leite, tratamento de água, práticas de fabricação e exigências da legislação vigente.

“Ainda bem que esses órgãos ajudam, porque as dificuldades para produzir são muitas”, diz Lúcia que agora, depois de superar tantos obstáculos e vencer diversos concursos, sonha em melhorar as condições de vida de seu rebanho. “Embora me digam que os animais estão acostumados às intempéries climáticas, não suporto ver as vacas serem castigadas pela chuva. Não vejo a hora de poder construir um galpão para protegê-las”, confidencia.

Enquanto o sonho da microempresária não acontece, aproveite e embarque na nova aventura de aromas, sabores e tradições de Tiradentes. Viver essa experiência, ainda que por pouco tempo, vai te conduzir ao mágico território das propriedades rurais da região, com lembranças para serem guardadas no coração a vida inteira.