Para amantes da gastronomia italiana

•Julho 19, 2017 • Deixe um Comentário

Se você é fã da culinária da Itália, o roteiro da Mi Piace pode te interessar. Ele prevê a degustação de tradicionais vinhos e pratos do país, além de dar dicas sobre produtos regionais e o seu preparo “all’italiana”.

Piazza Duomo de Milão - Itália - Foto Wikimedia.jpg

O roteiro de 11 dias começa no aeroporto de Guarulhos, com o embarque em voo rumo a Milão, no norte da Itália. Na chegada, a acomodação em hotel é seguida por tarde livre e jantar. No menu, o autêntico “Risotto Milanese”. Na capital da Lombardia também estão previstas visitas a um mercado na rua, a uma rotisserie e a uma gelateria.

Loja gourmet no centro de Milão - Site O Guia de Milão.jpg

O almoço acontece em restaurante especializado em “Polenta com Ossobuco”, com posterior pausa em uma loja de funghi, com uma aula sobre como utilizar a iguaria no preparo de pratos italianos. O fim da tarde é coroado por uma esticada a EatItaly, loja de produtos típicos do país.

Eataly Supermercado em Milão - Foto - Site flirtyfoodie

O próximo destino é Bergamo Alta, uma linda cidade medieval, onde o almoço – “Polenta Taragna” – em um restaurante do centro histórico é seguido de um stop em uma pasticceria bergamasca para provar os doces típicos da cidade. Depois de visitar à tarde uma vinícola na região da Franciacorta e degustar espumantes, você viaja para Verona.

Valpolicella - Verona.jpg

Na região vêneta do Valpolicella, o tour inclui visitas às vinícolas e degustação de vinhos. No menu do almoço, “Risotto all’Amarone”. Quando a refeição terminar, você pode fazer compras no centro histórico, e, mais tarde, aproveitar a noite livre na romântica cidade de Julieta e Romeu.

valpolicella - Foto Site Ifatto Quotidiano

De lá, ruma para Parma, onde o almoço-degustação é na Antiga Ardenga Massimo Pezzani, empresa produtora do famoso “Prosciutto de Parma”, e de vários tipos de salames, pancetttas e outras delícias da Emilia Romagna.

Prosciutto de Parma - Foto - Antica Ardenga Maximo.jpg

Já em Rocca de Rofena, você confere como é produzido o queijo “Parmigiano Reggiano” e faz um piquenique saboreando o “Borlenghi” (uma espécie de presunto), além de participar de uma divertida “caçada” às trufas brancas.

Mercado de San Lorenzo em Florença.jpg

Após o jantar, você viaja a Florença, onde de manhã visita o Mercado de San Lorenzo e, no fim da tarde livre, degusta um aperitivo “regado” a deliciosos crostinis e bruschettas fiorentinos, em VillaToscana.

Bruschetta- Foto- Site Ciao         Florentina.jpg

Na região do Chianti, a programação prevê a degustação de vinhos no castelo da vinícola Vicchiomaggio, além de paradas na na Antica Macelleria Falorni e no Consorzio dei Vini del Chianti, na cidade de Greve in Chianti. O almoço, “Bistecca Fiorentina”, é seguido por visita a Radda in Chianti, Castellina in Chianti e Gaiole in Chianti.

castelo da vinícola Vicchiomaggio.jpg

Conhecer a cultura senese e sua gastronomia é seu próximo passo. Em Siena, um passeio pela manhã te conduz a um laboratório especializado na produção do Panforte de Siena, com aprendizado e degustação.

Panforte de Siena- Foto Site L'Italo-Americano

A tarde é toda sua para explorar e se despedir da cidade, pois à noite volta a Florença, onde logo cedo visita ao Mercado de Peixe da praiana Viareggio. O cardápio do almoço é à base de peixe fresquinho.

Panorâmica de Florença - Rio Arno - Foto - Site Viva Toscana.jpg

O retorno a Florença acontece no fim do dia. Pela manhã, a viagem chega ao fim e você embarca em voo rumo a São Paulo. Custa a partir de 3.880 euros (parte terrestre) por pessoa em apartamento duplo, inclusos dez noites de hospedagem em hotel quatro estrelas com café da manhã, transfers, transporte e acompanhamento de profissional durante o percurso, seguro viagem e kit exclusivo. Informações: www.mipiace.com.br

Hotel palácio parisiense do século 18 reabre suas portas

•Julho 17, 2017 • Deixe um Comentário

Depois de quatro anos em obras e investimentos de 200 milhões de euros, o Crillon, espaço frequentado por dez entre dez jet-setters, é reinaugurado.

Praça da Concórdia em Paris - França - Foto Wikimedia

Para quem gosta de viajar e observar construções e estilos arquitetônicos das cidades que visita, os países da Europa são um prato cheio. Paris, na França, não é exceção. Lar da Torre Eiffel, do Arco do Triunfo e de tantas obras icônicas, a charmosa capital francesa reabriu, no início de julho, as portas do Hotel de Crillon, considerado uma preciosidade da arquitetura do século 18.

Fachada do Hotel Crillon em Paris - Foto Wikimedia

Símbolo do luxo francês daquele século, a construção à época foi realizada pelo arquiteto Ange-Jacques Gabriel. Para quem não sabe, o profissional viveu de 1698 a 1782 e foi neto e filho, respectivamente, dos arquitetos Jacques Gabriel (1630-1686) e Jacques Gabriel 5º (1667-1742). Como o seu pai, Ange-Jacques Gabriel foi o primeiro arquiteto do rei.

Foi sob ordens de Luís 15 que ele assinou os projetos das obras do Petit Trianon, em Versalhes, e da Escola Militar de Paris, além da Praça da Concórdia, um dos mais concorridos postais de Paris, situada bem em frente ao Hotel de Crillon. A proposta original do monarca era de que ali funcionassem órgãos do governo, mas acabou passando por diversas mãos da aristocracia francesa, como nas do conde de Crillon.

Em 1909, o antigo palacete de Crillon foi transformado em Hotel dos Viajantes. Atualmente, a propriedade pertence a um príncipe saudita. E, depois de mais de quatro anos em obras, o empreendimento agora está sendo operado pelo grupo de Resorts e Hotéis de Rosewood, tendo em seu comando o especialista da hotelaria de luxo Marc Peroryctes. Com a sua reinauguração, o hotel ganhou segundo subsolo com SPA e piscina.

Suite do Hotel de Crillon - Foto Divulgação.jpg

Além de seus 124 quartos, o empreendimento agora também disponibiliza 33 suítes, dez das quais tiveram sua decoração interior assinada por grandes estrelas do luxo. Caso de Karl Lagerfeld, estilista da Chanel e da Fendi e um apaixonado pela arquitetura do século 18, que assina o projeto de duas delas. O paisagista Louis Benech, um dos mais conceituados da França, ficou com os projetos dos jardins internos.

Suíte do Crillon - Divulgação.jpg

Mas há muitas outras novidades. Na cozinha a qualidade é garantida pela presença de Machado de Christopher. O renomado chefe retorna ao Crillon, casa onde recebeu em 2011 sua primeira estrela no Michelin. Já o L’Ecrin, principal restaurante do hotel, está com um novo menu, elaborado pelo chefe Christopher Hache, que viajou o mundo inteiro para se inspirar e criar os pratos.

Jardim de Inverno do Crillon - Foto Divulgação.jpg

Claro que não é todo mundo que pode se hospedar em um hotel com esse padrão. Mas, mesmo que você não seja um deles, se estiver em Paris, vale a pena dar e uma esticada até o Crillon. Em seu jardim de inverno, você pode tomar um café saboreando uma das delícias criadas pelo premiado chefe patissier Jérôme Chaucesse, enquanto observa o vibrante vaivém da Praça da Concórdia. Por sinal, com a reabertura do hotel, a praça e seu conjunto arquitetônico estão mais bonitos do que nunca!

Fonte da Praça da Concórdia em Paris - Foto Wikimedia.jpg

SERVIÇO – Hotel de Crillon – 10 Place de la Concorde, 75.008, Paris, França, tel.  (33) 1 44 71 15 00, site http://www.rosewoodhotels.com.

 

Virgínia é novo endereço para os fãs de cerveja nos Estados Unidos

•Julho 3, 2017 • Deixe um Comentário

Cervejas - Foto Divulgação.jpg

Famoso pelas vinícolas, o estado norte-americano agora se fortalece também no mercado de cervejarias artesanais, reunindo 206 estabelecimentos.

Por  Fabíola Musarra 

Situado na Região da Capital dos Estados Unidos, o Estado da Virgínia atingiu a marca de 206 cervejarias em funcionamento, conforme dados do Departamento de Controle de Álcool e Bebidas (Department of Alcohol and Beverage). O número de estabelecimentos do tipo dobrou nos últimos anos, registrando o crescimento de 468% em relação ao ano de 2012. Com isso, o governo acaba de anunciar novas licenças, incluindo três grandes novas cervejarias, a expansão de empresas locais e a introdução de cervejarias globais.

Outro estudo econômico divulgado pela Beer Institute aponta que a indústria cervejeira na Virgínia é um dos setores que mais cresce, contribuindo com mais U$ 9,34 bilhões para a economia do Estado, além de estar sendo um importante impulsionador da economia e impactando positivamente setores como o turismo e a agricultura.

Virginia Beer - Foto DivulgaçãoO motivo do sucesso das cervejarias da região? estarem sendo bastante procuradas? Saiba que ele se deve ao fato de tanto as grandes quanto as pequenas utilizarem ingredientes produzidos localmente para a confecção da bebida, incrementando a qualidade da cerveja e criando um sabor exclusivo.

Este, porém, não é o único motivo. A maioria das cervejarias da Virginia oferece salas para degustações dos diversos tipos da bebida e pátios ao ar livre – que algumas vezes por ano recebem festivais e eventos especiais, além de algumas delas serem pet-friendly.  O que torna a experiência ainda mais especial.

Atualmente, Virgínia é um dos melhores destinos para apreciadores de cervejas artesanais. Com mais de 120 cervejarias artesanais, oferece aos turistas a possibilidade de percorrer os diferentes roteiros que a região abriga. A Devil’s Backbone Brewing Company é apenas uma das que integra o tour. Situada nas montanhas Blue Ridge, no centro do estado, oferece uma cervejaria premiada em um restaurante com espaço aberto em meio ao cenário de montanhas.

Blue Mountain Brewery - Virgínia (EUA).jpg

Já a Blue Mountain Brewery, em Afton, é a primeira cervejaria no interior do estado, que também conta com uma sala para degustação e um restaurante que serve pratos preparados com ingredientes colhidos direto da fazenda. Por sua vez, a Starr Hill Brewery, em Crozet, é uma das mais antigas e produz oito tipos de cervejas principais, quatro sazonais e várias edições limitadas.

Também a cidade de Richmond, capital da Virginia, conta com mais de 12 cervejarias. O legal é apreciar a bebida enquanto aprecia a paisagem do Rio James e o skyline da cidade no pátio da microcervejaria Legend Brewing Company, a mais antiga em funcionamento no estado. Ficou tentado a ir? Então, acesse o site www.virginia.org/beertrails e confira a localização das cervejarias e o tipo de cerveja que produzem. Boa degustação!

 

Foz de Iguaçu é palco do Festival de Turismo das Cataratas

•Junho 28, 2017 • Deixe um Comentário

Até o dia 30 de junho, o evento que está sendo realizado na linda cidade paranaense mostra as tendências e inovações do setor.

Foz_do_Iguaçu - Foto Wikimedia Commons

Está visitando Foz do Iguaçu?  O que acha de dar uma esticada até o Rafain Palace Hotel. No centro de convenções do empreendimento está acontecendo a 12ª edição do Festival de Turismo das Cataratas (FIT). Com o tema “Tecnologia e Sustentabilidade”, o evento reúne agentes de viagens, operadoras de turismo, hoteleiros, guias e demais profissionais da área e de segmentos afins, trazendo aos visitantes as principais novidades do turismo.

Além da possibilidade de ampliar contatos e fechar negócios, o FIT é ainda uma oportunidade para você provar diferentes tentações gastronômicas, incluindo pratos típicos como o Pirá de Foz. Também as bebidas participam do festival, que tem como um de seus destaques o Salão do Vinho Argentino, um espaço de 70 metros quadrados onde estão expostas as bebidas produzidas pelo país vizinho.

Vinhos  - Foto do site Roteiroseeventos.jpg

Com mais de 210 mil hectares de vinhedos, a Argentina exporta aproximadamente 25% de sua produção anual para a Europa. Grande parte do sucesso de seus vinhos se dá pela qualidade de suas uvas Malbec e Cabernet Sauvignon. Ficou com água na boca? Saiba que neste salão, você vai poder conhecer e degustar vinhos produzidos em mais de 20 bodegas de regiões tradicionais como Salta, La Rioja, Mendoza e San Juan, além de saborear petiscos argentinos e acompanhar apresentações de tango.

Cantina e vinicola Francois Lurton (Argentina) - Foto Wikimedia.jpg

Também no estande do Bella Italia,  você pode degustar vinhos e queijos, assistir apresentações artísticas e aprender mais sobre a cultura italiana, além de se inteirar sobre os hotéis do grupo – “nascido” em Foz do Iguaçu, é integrado pelos hotéis Bella Italia, Águas do Iguaçu e Bogari, e pelos restaurantes Vila Iguassu e Noite Italiana Doce Vita.

Queijos1 - Hotel Bella Italia - Foz do Iguaçu - Foto Divulgação

Ainda nesse estande, você pode ficar sabendo sobre as melhorias que estão sendo feitas no Bella Italia, tradicional hotel da cidade e que agora conta com um estacionamento coberto e está com apartamentos repaginados. “Estamos fechando alas interiores, com o objetivo de reformar os 135 apartamentos sem atrapalhar o fluxo dos nossos clientes”, conta Sidiclei de Moura, gerente comercial do empreendimento.

Fachada do Hotel Bella Italia- Foto Divulgação.jpg

“A decoração, a pintura e os banheiros do hotel estão ganhando novo visual. O próximo passo será realizar obras na área de lazer”, antecipa Moura. Outra novidade do Bella Italia que está sendo apresentada no FIT é o Bolgari, hotel adquirido pelo grupo e reinaugurado em 2015. “Embora tenha mudado de mãos, decidimos manter o seu nome e preservar sua história, o que tem sido muito positivo. Quem já se hospedou nele há anos e retorna, se surpreende com a atual estrutura e os novos hóspedes se encantam com as histórias que contamos”, finaliza Moura.

Postais – E já que está em Foz do Iguaçu, aproveite para conhecer alguns de seus atrativos. Entre eles, as Cataratas do Iguaçu, consideradas um das sete belezas naturais do planeta. Além das imponentes quedas de águas de suas cachoeiras, tando o lado brasileiro como o lado argentino dos parques onde as cataratas estão situadas oferecem  trilhas, passeios em barco e outros de esportes de aventura, como o Macuco Safári e o Gran Aventura.

Bem pertinho do Parque Nacional do Iguaçu fica o Parque das Aves, um dos principais da América Latina e outra das atrações da cidade. Com mais de mil pássaros, o parque é uma propriedade privada que promove a recuperação e a procriação de diversas espécies de aves, incluindo algumas ameaçadas de extinção. Em seu interior  também encontram-se o maior viveiro de araras da América do Sul  e a maior colônia de ararajubas em exibição do mundo.

FIT Cataratas 2017 – De 28 a 30 de junho

Centro de Convenções do Rafain Palace Hotel – Av. Olímpio Rafagnin, 2.357, Parque Imperatriz, Foz do Iguaçu, http://festivaldeturismodascataratas.com.

Rio & rock in roll

•Junho 24, 2017 • Deixe um Comentário

Rio - Praia2.JPG

Com relevos tingidos por montanhas, árvores e palmeiras centenárias, sempre acompanhados de perto pelo azul-esverdeado do Atlântico, o elegante bairro da Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, vai ser palco do Rock in Rio, o maior festival de música do planeta.

Rio - Cidade Olímpica

Se você curte música, saiba que os preparativos para o Rock in Rio estão a pleno vapor. Este ano, o maior festival de rock e música do mundo será realizado em setembro, no Complexo Esportivo dos Esportes, ou simplesmente na Cidade Olímpica, como é mais conhecido o local.

Parque Olímpico.JPG

Com jardins bem-cuidados, muito espaço ao ar livre e paisagens indescritíveis, o complexo  situado no bairro da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, foi o lar das competições dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos no ano passado.

Os ingressos para o evento já estão sendo vendidos. E se você pretende ir aos shows, é bom começar a se programar se não quiser ficar sem lugar para se hospedar. A Vert Hotéis, por exemplo, possui três hotéis no bairro. Todos eles estão localizados a poucos quilômetros da Cidade do Rock, no Complexo Esportivo, onde o Rock in Rio vai rolar.

Rio - Cidade Olímpica1.JPG

Além de descontos nas diárias, a Vert também está disponibilizando pacotes para o evento, com traslado dos hotéis até a Cidade do Rock como cortesia. Os pacotes já podem ser encontrados no site do evento: https://rockinrio.evnts.rocks. E você também pode obter mais informações no site www.verthoteis.com.br.

Se você vai participar do Rock in Rio, saiba que bem pertinho dos hotéis da Vert, você pode contar com a Estação Riocentro do BRT, que estará à disposição de quem for ao festival. O desembarque será na entrada do Parque Olímpico, onde fica a Cidade do Rock. Aproveite e curta muito. Boa viagem!

SERVIÇO

Ramada Encore Ribalta – Fica a 8 km da Cidade Olímpica e a menos de 250 m estação de BRT Rio Mar. Além da facilidade de locomoção, o hotel está oferecendo 15% de desconto na hospedagem – as diárias em apartamento duplo têm valores a partir de R$ 434, 00, com café da manhã incluso.

Lobby - Ramada Encore RIbalta.JPG

Com decoração contemporânea, possui ambientes criados para incentivar o convívio entre os hóspedes. Caso do The Hub, espaço que conta com uma mesa de sinuca e um bar que funcionam 24 horas. Possui 190 apartamentos temáticos, além de ser um hotel pet friendly para pets de até 8 kg. Oferece estacionamento e transporte para o hospede até o píer, onde ele segue de balsa para uma das melhores praias da Barra, a Praia da Reserva.

Em seu entorno estão um campo de golfe olímpico, shopping centers e casas de shows. O centro de multieventos Ribalta (www.ribalta.com.br) está ao lado do hotel e comporta até quatro mil pessoas. Av. das Américas, 9.650, Barra da Tijuca, tel. (21) 2432-6000, www.verthoteis.com.br/hoteis/ramada-encore/ramada-encore-ribalta.

Ramada Recreio Shopping – Localizado a 11 km da Cidade do Rock, ao lado do Shopping Recreio, o hotel três estrelas tem como vizinhos encantadoras praias, belezas naturais e diversas opções gastronômicas. Com 192 quartos para uma, duas e até três pessoas, também oferece acomodações adaptadas para portadores de necessidades especiais.

DCIM100MEDIADJI_0016.JPG

Todos os seus quartos estão equipados com ar-condicionado, tevê 42 polegadas, cama king size e estação de trabalho. Tem um centro de convenções para até 1.100 pessoas, restaurante (aberto ao público), bar, academia e estacionamento. O hotel promove passeios pela região da Zona Oeste e incentiva a prática esportiva. As diárias em apartamento duplo saem por a partir de R$ 380,00, com café da manhã incluído. Av. das Américas, 19.019, verthoteis.com.br

E-suites Riocentro Verano Stay – Situado a menos de 2 km do Parque Olímpico (dá para ir ao Rock in Rio a pé), o empreendimento fica dentro do condomínio Rio 2. Funciona em soft opening desde fevereiro, oferecendo acomodações espaçosas em uma região privilegiada da Barra da Tijuca, rodeada por áreas verdes e segurança.

piscina - eSuites Verano 2.JPG

Além de fácil acesso ao Rock in Rio, o Verano oferece os serviços de uma das regiões mais cobiçadas da capital fluminense, famosa por abrigar expressivo número de centros de convenções, shopping centers, praias, parques e espaços esportivos e o Riocentro, o maior centro de convenções da América Latina.

Com piscinas, sauna e sala fitness, o apart hotel tem 272 apartamentos bem equipados, sendo que a suíte superluxo possui lavanderia com tanque e disposição para máquina de lavar, além de uma pequena cozinha com geladeira, fogão e micro-ondas. Completam os serviços o acesso gratuito à internet wifi, TV LCD a cabo, espaços equipados para a realização de eventos e estacionamento.

As diárias nos dois tipos de acomodações disponibilizados pelo hotel (luxo, com 18m², e superluxo, com 36m²) incluem café da manhã e internet. A do apartamento luxo duplo, por exemplo, custa a partir de R$ 450,00. Rua Escultor Sérgio Camargo, 50, Barra da Tijuca, tel. (21) 2214-8000, www.verthoteis.com.br/nossas-marcas/esuites

Rio - Coqueiros.jpg

Os três hotéis citados pertencem a Vert Hotéis, que detém as marcas Ramada e eSuites. Além do ambiente descolado, propício para oferecer happy hour aos hóspedes, alguns dos hotéis da rede oferecem spas e rooftop – as festas no terraço – e serviços como aluguel de bike.

Fotos: Vanessa Nieno e Patrícia Domingos

 

Frio e clima de serra são preferência nacional para curtir o Inverno

•Junho 13, 2017 • Deixe um Comentário
Gramado (RS) - Foto Wikimedia.jpg

Localizada na Serra Gaúcha, na Região do Vale das Hortênsias, Gramado é uma cópia fiel de um encantador vilarejo alpino. Foto: Wikimedia

As cidades serranas de Gramado (RS) e de Campos do Jordão (SP) são as preferidas dos turistas brasileiros para curtir as férias de julho. Não à toa. Aconchegantes e glamorosas, ambas oferecem atrações para todos os estilos, conciliando o ar puro das montanhas e araucárias centenárias a ótimos restaurantes, bares, cafetarias, pousadas e hotéis. Sem falar da animada programação cultural, com festivais de música e shows, feitos sob medida para aquecer o Inverno.

Shopping Aspen Mall em Campos do Jordão - Foto Wikimedia.jpg

O Shopping Aspen Mall em Campos do Jordão. Foto: Wikimedia

Atrativos à parte, as informações fazem parte de pesquisa realizada pelo buscador de hotéis Trivago. O ranking de preferências nacionais inclui ainda a baiana Porto Seguro (terceiro lugar), seguida por Fortaleza (CE) e Natal (RN). Já Santiago, no Chile, ocupa a sexta posição e continua sendo a cidade internacional preferida para julho. Completam o top 10, Porto de Galinhas (PE), Rio de Janeiro (RJ), Caldas Novas e mais uma internacional: Paris, na França.

Santiago (Chile) – Foto Cristobal Correa - Fundación Imagen de Chile

Santiago, no Chile, ocupa a sexta posição na pesquisa. Foto: Cristobal Correa

Por falar nos destinos mais concorridos, Campos do Jordão é mesmo um dos destinos mais procurados pelos brasileiros para passar as férias de julho. Tanto que acaba de ganhar mais um hotel da marca Nacional Inn Hotéis: o Dan Inn Premium. Com bar exclusivo na recepção, o empreendimento, com funcionamento inicial em soft openning, conta com 98 acomodações, entre apartamentos e suítes.

Fachada do Dan Inn Premium Campos de Jordão - Foto Divulgação.jpg

Fachada do recém-inaugurado Dan Inn Premium, em Campos de Jordão. Foto: Divulgação

Estudos fundamentados levaram à rede hoteleira concluir que o destino comportaria mais um hotel, tendo em vista a demanda existente para os outros quatro empreendimentos que mantém em Campos do Jordão – o Hotel Golden Park Campos do Jordão, o Hotel Nacional Inn Campos do Jordão, a Pousada Nacional Inn Campos do Jordão e o Castelo Nacional Inn Campos do Jordão.

Nacional Inn Campos do Jordão - Foto Divulgação

O Nacional Inn, um dos hotéis que a rede mantém em Campos do Jordão. Foto: Divulgação

“A despeito da crise que a hotelaria enfrenta, o Nacional Inn decidiu investir em Campos de Jordão por acreditar no potencial turístico local. No primeiro fim de semana após a inauguração, em soft opening, a taxa de ocupação do Dan Inn Premium alcançou 65%, sem que houvesse qualquer divulgação do empreendimento”, diz Daniel Santos, diretor da marca hoteleira.

Centro de Vila Capivari - Campos do Jordão (SP) - Foto Gabriel Pevide - Wikimedia

Centro da badalada Vila Capivari em Campos do Jordão (SP). Foto: Gabriel Pevide – Wikimedia

Os apartamentos do recém-inaugurado hotel estão equipados com ar-condicionado com aquecimento, lareira, TV LCD, cofre e fechadura digitais, telefone, frigobar, secador de cabelo e banheira de imersão. A área de lazer inclui hidromassagem e academia, além de piscinas aquecidas e estacionamento gratuito. Todos os ambientes têm sinal de internet Wi-Fi. As diárias incluem café da manhã, com check-in, a partir das 14h e check-out, até as 12h.

SERVIÇO – O Dan Inn Premium está localizado a Rua Joaquim Pinto Seabra, 177, na Vila Everest, a 800 m da Estação Rodoviária e a poucos minutos do Centro de Convenções João Dória e do Centro Turístico de Vila Capivari. Informações: (12) 3663-3611.

araucária em Campos do Jordão - Foto Caroline de Oliveira

Araucárias são paisagens comum em Gramado e Campos do Jordão. Foto: Caroline de Oliveira

 

Recife das praias, do frevo e de muito mais

•Junho 7, 2017 • Deixe um Comentário

Com praias exuberantes, a capital de Pernambuco tem ainda arte, cultura e boas histórias para contar

Praia do Pina - Recife, Pernambuco, Brasil - Foto Wikimedia.jpg

Se você já está planejando uma viagem para as férias de julho ou mesmo quer viajar para fugir dos dias frios de inverno do Sul e do Sudeste brasileiro, uma dica é Recife, a vibrante capital de Pernambuco. Situado no Nordeste, o Estado possui 187 km de praias azuizinhas e esverdeadas – uma mais bonita do que a outra. Não é tudo. Transborda história, cultura, alegria e excelente gastronomia. Tudo isso em um só lugar!

Recife -  Início da Avenida Boa  Viagem - Foto Wikipedia.jpg

Recife é cercada por rios, interligada por pontes e repleta de ilhas e mangues. É também a terra do frevo, contagiante ritmo que nasceu em Pernambuco no final do século 19 e que, em 2012, foi declarado Patrimônio Cultural Imaterial pela Unesco. Para dar uma ideia, só o Galo da Madrugada, um dos mais tradicionais blocos carnavalescos do País, leva mais de um milhão de foliões às ruas e ladeiras de Olinda durante o reinado de Momo.

Frevo - Olinda, Pernambuco, Brazil Foto  Wikipedia.jpg

Com sol praticamente o ano inteiro, a cidade é abraçada por duas praias: a de Boa Viagem e a do Pina, ostentando uma orla por onde se desfilam centenas de coqueiros emoldurados por águas ora mais azuis, ora mais esverdeadas, dependendo da estação do ano – na primavera e no verão são mais turquesa. No inverno e outono, época de chuva, ficam mais esmerada devido às folhagens que caem no mar.

Pontes do Bairro do Recife Antigo - Foto Wikimedia.jpg

Urbana e badalada, a primeira tem 7 km de extensão, reunindo quiosques, bares e quadras poliesportivas, entre outras opções de lazer. As melhores áreas para banho de mar são indicadas por placas de sinalização, mas o surfe ali é proibido. Já a do Pina é uma praia com longa faixa de areia. É bastante frequentada por moradores da cidade, com quiosques e barraquinhas.  Além dessas praias, as do Litoral Sul e do Norte têm cenários para todos os gostos.

Barreira de recifes  da Praia de Boa  Viagem  - Recife, Pernambuco,Brasil - Foto Wikipedia.jpg

Indo em direção ao Sul, em Jaboatão dos Guararapes, cidade vizinha e integrante da Região Metropolitana de Recife ficam as praias da Piedade, de Candeias e Barra de Jangada. Com águas claras e arrecifes, a primeira é de mar aberto e habitada por tubarões nas áreas mais profundas. Por isso, também ali o surfe é proibido, mas o banho de mar em área liberada não oferece perigo.

Praia de Candeias (PE) - Foto Wikimedia.jpg

Já a de Candeias é ideal para banhos de mar, com águas rasas e calmas. Também oferece infraestrutura turística, com bares, restaurantes, hotéis e pousadas. Situada entre Candeias e a foz do Rio Jaboatão, Barra de Jangada tem águas escuras e rasas, resultado do encontro do rio com o mar. Do pontal da Barra, pode-se fazer a travessia de barco até a Ilha do Amor, praia de vegetação intocada que fica próxima à costa.

Mais ao Sul, em Cabo de Santo Agostinho, município que fica a 13 km de Recife, encontram-se a Praia do Paiva (não tem infraestrutura para turistas), com areia branca, mar agitado e vegetação nativa de Mata Atlântica. Com a maré seca, piscinas naturais se formam por conta dos arrecifes. Na região também fica a Enseada dos Corais, praia de veraneio de areia dourada, piscinas naturais e águas transparentes.

Pontas de  Pedra - Pátio da Igreja- Foto adgoiana.pe.gov.br.jpg

Pouco mais distante, tem a Praia de Gaibu. No passado, servia como porto negreiro. Atualmente, é uma praia bastante movimentada por veranistas. Tem areia clara e fofa, águas limpas, piscinas naturais e falésias. Seu mar agitado e com ondas é perfeito para os surfistas. Já a Praia de Calhetas, pequena baía com areia grossa e pedras na orla, antigamente, funcionava como porto das tropas portuguesas que lutavam contra os holandeses.

Praia de Suape (PE) - Foto Wikimedia.jpg

Por sua vez, a Praia de Suape é uma enseada, com mar de águas translúcidas e tranquilas, protegida por uma barreira natural de arrecifes e coqueiros a perder de vista. No passado, foi palco de batalhas entre portugueses, holandeses e índios caetés. Hoje, é propícia para a prática de esportes náuticos. Possui barcos de pesca na areia, hotéis e pousadas, bares e restaurantes, incluindo os que servem comida típica.

Vista aérea de Porto de Galinhas, Recife, Pernambuco, Brasil - Foto Wikimedia.jpg

É no Litoral Sul, no município de Ipojuca, que fica umas das praias mais badaladas do Estado: Porto de Galinhas. Com praias de areia branquinha, abriga piscinas de águas cristalinas habitadas peixinhos coloridos e ouriços. É também ideal para a prática de esportes náuticos, como jet ski, passeios de jangada e mergulho. Com boa infraestrutura turística, a vila tem seu comércio movimentado por restaurantes e bares, oferecendo ainda uma agitada vida noturna.

Praia de Porto de Galinhas, Pernambuco, Brasil - Panoramio - Elvis Boaventura

Essas são apenas algumas das praias do Litoral Sul de Recife, mas há outras. E no Litoral Norte também não faltam opções. É ali que, por exemplo, fica Itamaracá, ilha que deu nome a uma das capitanias hereditárias do Brasil e foi palco de disputas coloniais no século 17, quando os holandeses construíram o Forte Orange. A construção em taipa de 1631 foi demolida, sendo reconstruída pelos portugueses em 1654 para proteger as vizinhas Igarassu, Olinda e Recife.

Forte Orange, Ilha de Itamaracá, Pernambuco, Brasil - Foto Wikimedia

Além do forte, Itamaracá tem belíssimas praias – a principal e mais concorrida delas, por motivos óbvios, é a do Forte, onde fica o de Orange. A ilha também é o lar do Ecoparque Peixe-Boi & Cia, lar da sede nacional do CMA, um centro especializado do ICMBio. No momento, o parque de proteção ao animal marinho está fechado, mas é possível saber se foi reaberto pelo site http://www.icmbio.gov.br/cma/guia-do-visitante.html.

Peixe-boi Netuno em recinto no CMA - Sede na Ilha de Itamaracá (PE) - Foto Fábia Luna

Também no Litoral Norte está Maria Farinha, praia de extensa faixa de areia dourada e mar calmo e limpo. Embora ainda não seja muito divulgado pelas agências de viagem, o lugar oferece boa infraestrutura turística. Na baixa temporada, a praia fica praticamente deserta. Mais adiante e de frente à Ilha de Itamaracá, o município de Goiana é a casa da Barra de Catuama.

Primitivamente ocupada por índios caetés e potiguaras, a vila ainda possui uma reserva indígena não preservada pelas autoridades. Encontro do Rio da Barra com o Itapessoca, sua praia conta com umas das áreas mais ricas em biodiversidade do Litoral do Nordeste do País. A vila possui uma pequena rede hoteleira e fica perto do distrito de Pontas de Pedra, onde está a maior parte das lojas e mercados da região.

Marco Zero – Em sua estadia na capital pernambucana, não deixe de conhecer o Recife Antigo, com suas coloridas fachadas. Interligado ao resto da cidade por inúmeras pontes, o bairro deu origem à cidade no século 16 e reúne um importante conjunto arquitetônico, grande parte reconstruído após a invasão holandesa, no fim do século 17. Principal polo de cultura e animação de Pernambuco, tem ainda efervescentes barzinhos, restaurantes e casas noturnas.

Rosa dos Ventos de Cícero Dias -  Marco Zero, Recife (PE) - Foto Wikimedia.jpg

É neste bairro que também ficam a primeira sinagoga das Américas (leia abaixo), a Embaixada dos Bonecos Gigantes, o Paço do Frevo, o Centro do Artesanato de Pernambuco (um antigo armazém de cargas restaurado onde é possível conhecer o trabalho de mais de 700 artesãos) e o Museu Cais do Sertão, que propõe uma imersão na cultura do sertão e na obra do rei do baião Luiz Gonzaga. É ainda o endereço de uma feirinha de artesanato que acontece aos domingos.

Torre Malakoff, Recife (PE) - Foto Wikimedia.jpg

Se quiser conhecer o bairro do alto, suba ao topo da Torre Malakoff que data de 1855. Se não é adepto das alturas, explore o lugar a partir da Praça do Marco Zero, palco das principais festas populares da cidade. Ao redor da praça, exposições de arte e exibições de filmes estão sempre presentes à programação gratuita do Centro Cultural dos Correios (Av. Marquês de Olinda, 262), do Santander Cultural (Av. Rio Branco, 23) e da Caixa Cultural (Av. Alfredo Lisboa, 505).

É também do Marco Zero que partem os barqueiros que fazem a travessia de ida e de volta para o Parque das Esculturas Francisco Brennand, construído sobre um recife em frente à praça. Em seu interior estão guardadas 90 esculturas do artista plástico pernambucano que empresta o seu nome ao lugar. A principal delas é a Coluna de Cristal, com 32 metros de altura e confeccionada em argila e bronze.

Torre de Cristal - Recife (PE) - Foto Wikimedia.jpg

Ainda é bom saber que grande parte das obras desse escultor e artista plástico pernambucano está exposta na Oficina de Cerâmica Brennand, no bairro da Várzea. A oficina funciona desde 1971 em uma antiga fábrica de tijolos construída no início do século 20 e reúne esculturas, painéis de azulejos e pinturas de Francisco Brennand.  Saiba também que, em Recife, o que não faltam são museus.

O Instituto Ricardo Brennand é um dos principais deles. Instalado em uma réplica de um castelo medieval, reúne obras de arte, objetos e documentos do período da ocupação holandesa, além de pinturas datadas do século 18 ao 20. Guarda ainda uma imensa coleção de armas brancas, com armaduras medievais e espadas milenares. Pelos seus jardins (um deles foi criado por Burle Marx e exibe fontes e lagos) espalham-se esculturas de Rodin e Botero, só para citar algumas.

Obrigatória também é a visita à A Casa da Cultura de Pernambuco, prédio que originalmente foi uma cadeia. Em suas antigas celas hoje funcionam 150 lojas de artesanato, restaurantes, lanchonetes e livrarias, incluindo uma especializada em livros da história de Pernambuco e em autores pernambucanos. Situado no bairro de Santo Antônio, é o maior centro da cultura e arte de Pernambuco, abrigando artesanato de 147 municípios do Estado, do litoral ao sertão.

Casa da Cultura de Pernambuco

Nas lojas, você vai encontrar peças em barro ou cerâmica na arte figurativa de mestre Vitalino: desde bonecas e jogos de xadrez e de damas até anjos, imagens sacras em terracota e santos em madeira. Há ainda as lojas que comercializam camisetas, biquínis, cangas, peças exclusivas em couro (bolsas, sandálias e chapéus), bordados para cama, mesa e banho e confecções em renda renascença, filé e algodão natural.

No pátio externo, transformado em uma área para shows e manifestações populares e folclóricas, também funciona uma praça de alimentação, com espaços que oferecem iguarias típicas da região: a tapioca, a pamonha, a canjica, o acarajé, a rapadura de alfinis, o mel de engenho, a cachaça pernambucana, castanhas, passas de caju e o tradicional bolo-de-rolo, hoje Patrimônio Imaterial do Estado.

Tesouro colonial – Por falar em rapadura, cachaça e engenhos, a Capitania de Pernambuco foi uma das principais protagonistas do ciclo da cana-de-açúcar do Brasil Colônia entre os séculos 16 e 18, quando o açúcar foi a primeira grande riqueza agrícola e industrial do País e a base da economia colonial. Vale lembrar que esta capitania também era integrada pelo atual Estado de Alagoas, somente tendo sido desmembrada em 1817, após a Revolução Pernambucana.

Foi exatamente esse tesouro agrícola o responsável pela Invasão Holandesa no Brasil, em 1630. Interessados na produção do açúcar, os holandeses, enviados pela Companhia das Índias Ocidentais, invadiram, dominaram e permaneceram em Pernambuco até 1654, ano em que foram expulsos. Impossível falar sobre esse assunto sem citar Maurício de Nassau, um conde alemão, à serviço da Holanda, que chegou ao Brasil em 1637.

Nassau veio com o objetivo de governar as terras dominadas pelos holandeses na região de Pernambuco. Seu governo durou até 1644. Durante os sete anos que governou, ele fez pesados investimentos e várias transformações, principalmente urbanísticas, em Recife – algumas delas podem ser vistas até hoje por quem visita a cidade. Caso da construção de diversas de pontes, diques, canais, sistema de drenagem de pântanos e obras sanitárias.

Jardim Botânico de Recife(PE)  - Foto Wikimedia.jpg

Também melhorou a qualidade dos serviços públicos em Recife, investindo na coleta de lixo e nos bombeiros. Ainda na atual capital pernambucana, Nassau criou os palácios de Friburgo e da Boa Vista, o Jardim Botânico, o zoológico e o Museu Natural. Foi ainda um incentivador do estudo e da retratação da natureza brasileira, trazendo diversos artistas e cientistas holandeses ao País.

Sinagoga Kahal Zur Israel, Fachada, Recife (PE).JPG

Na área religiosa, Nassau permitiu a liberdade de culto entre holandeses, italianos, franceses, belgas, alemães, flamencos e judeus. Esses imigrantes chegavam ao Brasil vindos da Península Ibérica e do Norte europeu. Buscavam aqui a tolerância religiosa que não havia na Europa – lembram-se da Inquisição? Foi no século 17, que judeus e cristãos novos fundaram uma sinagoga no Recife, considerada a primeira das Américas.

Nas instalações da Kahal Zur Israel (Congregação Rochedo de Israel), como é chamada a sinagoga, atualmente funciona o Centro Judaico de Pernambuco, no bairro de Recife Antigo, no centro histórico da cidade. Escavações revelaram um poço usado no mikvé, ritual judeu de purificação. Se for passar uns dias em Recife, vale a pena visitar. Fica na Rua do Bom Jesus nº 197 e funciona de terça a sexta-feira, das 9 horas às 16h30. Domingo, das 14 horas às 17h30.

Interior da sinagoga Kahal Zur Israel - Foto Wikimedia

Quanto ao açúcar, Nassau fez aliança política com os senhores de engenho e reduziu os tributos cobrados deles, além de ter adotado melhorias nos engenhos e ter introduzido métodos aperfeiçoados de cultivo da cana-de-açúcar, visando o aumento da produção de açúcar. No começo da década de 1640, porém, a Companhia das Índias Ocidentais adotou amargas medidas a fim de aumentar os lucros com a economia açucareira no Brasil.

Entre essas iniciativas estavam o aumento de impostos, a cobrança de dívidas atrasadas dos senhores de engenho e a pressão para aumentar a produção de açúcar. As novas regras causaram muita insatisfação nos engenhos e também não foram aceitas por Nassau, que resolveu deixar o cargo de governador em 1644. Sua saída deu fim as relações harmoniosas entre os holandeses e os senhores de engenho.

Desgostosos, estes últimos buscaram o apoio de colonos e se organizaram, formando exércitos, a fim de expulsar os holandeses. A meta foi conquistada em 1654 com a Insurreição Pernambucana. Este ano é comemorado os 380 anos da vinda de Nassau ao Brasil. Ele é apontado como um bom governador pelos pernambucanos devido às realizações implantadas que proporcionaram modernidade e desenvolvimento à região.

Quando se compara os governos holandês e o português no Brasil (bem mais interessado na exploração econômica), muita gente acredita que a região dominada pelos holandeses hoje seria mais desenvolvida se eles tivessem permanecido aqui por mais tempo. Mas, é bom saber que todas as melhorias foram feitas por Nassau, já que a Companhia das Índias Ocidentais apenas se preocupava com o lucro que obtinha com a produção de açúcar.

Convento de São Francisco - Olinda, Pernambuco, Brasil - Foto Wikipedia.jpg

História e governos à parte, saiba que visitar Recife e não conhecer a encantadora Olinda, distante apenas 10 km da capital, é quase como cometer um pecado mortal. Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade, a cidade com suas ladeiras, igrejas barrocas dos séculos 16 e 17 e construções coloniais é – por si só – um charme a mais de Pernambuco. Sem falar da imperdível vista para o mar que proporciona a quem a visita. Mas essa é uma história a ser contada em um próximo capítulo.  Até lá!

Vista panorâmica de Olinda, Pernambuco, Brasil - Foto Wikimedia.jpg

Fotos: Wikimedia e Wikipedia