TV Destaque Nacional/fabíolamusarra’blog

•Novembro 4, 2017 • Deixe um Comentário

Estamos juntos:

TV Destaque Nacional – O mundo inteiro conectado com você.

http://www.tvdestaquenacional.com.br

fabíolamusarra’blog – Viagens, destinos e histórias de um admirável mundo velho

https://fabiolamusarra.wordpress.com

Anúncios

Aproveite o feriado e vá se divertir com a garotada em um hotel fazenda

•Novembro 3, 2017 • Deixe um Comentário

Por Caroline de Oliveira                                       Fotos: Cláudio Lacerda Oliva/Divulgação

Village Montana

O feriado prolongado de 15 de novembro está chegando. Não seria bom aproveitar os dias de folga para se divertir com os filhos, guardando no calendário da memória (no seu e no deles) para sempre esses momentos tão especiais? O Hotel Fazenda Village Montana é uma opção. Está localizado em meio a Mata Atlântica, na estância hidromineral de Socorro, e distante a 150 km de São Paulo.

Village Montana 1

O hotel possui uma estrutura que encanta a criançada de todas as idades. Tem fazendinha, horta orgânica, lago para pesca esportiva, balneário, piscinas, sauna, videokê, sala de ginástica, campo de futebol e quadra poliesportiva. Dispõe ainda de equipe de recreação para adultos e infantil acima de quatro anos, além de oferecer apresentação de cavalo adestrado, montaria no touro e cavalo e ordenha de vacas.

Village Montana 2

Além de diversão e lazer, o empreendimento conta com acomodações confortáveis – todas têm vista panorâmica que contempla a natureza. Também disponibiliza aos hóspedes uma caprichada culinária caseira, com pratos com gostinho e sabor de fazenda e uma deliciosa feijoada, que é servida todos os sábados.

Village Montana - abre

A diária do hotel inclui três refeições (café da manhã, almoço e jantar), com sobremesas, no sistema self-service. Informações: www.villagemontana.com.br, tels. (19) 3895-2948 e (11) 4125-8399.

Cachoeiras do Itapecuru é atrativo para amantes da natureza em Carolina

•Novembro 1, 2017 • Deixe um Comentário
Centro histórico de Carolina no Maranhão - Foto Setur Carolina

O centro histórico da cidade concentra casas e construções coloniais. Foto: Setur Carolina

Por Cláudio Lacerda Oliva                                        Fotos: Adilson Zavarize

O Brasil está começando a descobrir uma região que, embora seja repleta de belezas estonteantes e paisagens indescritíveis, ainda é muito pouco conhecida pelos viajantes. Um desses lugares é Carolina, no Maranhão. Considerada o portal de entrada do Parque Nacional da Chapada das Mesas, a cidade oferece mais de quatro dezenas de atrativos turísticos, todos eles ligados à natureza ou história.

Carolina (MA) - Foto Adilson Zavarize

O nome dado a cidade foi em homenagem à imperatriz Carolina Leopoldina, esposa de Dom Pedro 1º. Hoje, é a maior atração turística da região e começa a ser descoberta por turistas dos estados do Pará e Tocantins e uma parcela significante de paulistas e goianos. O grande destaque dessa linda e pouco explorada região do sul do Maranhão são suas cachoeiras, riachos, montanhas de arenito e pinturas rupestres, além é claro, toda a beleza do Parque Nacional da Chapada das Mesas.

Chapada das Mesas em Carolina

O Parque Nacional da Chapada das Mesas, em Carolina, no Maranhão. Foto: Embratur

Você pode começar a sua aventura na Cachoeira de Itapecuru, informalmente chamada de cachoeiras gêmeas. Aqui, há infraestrutura para você passar a manhã inteira curtindo as águas que despencam de duas lindas quedas, formando um imenso lago. Essa cachoeira fica no povoado de São João das Cachoeiras, a 30 quilômetros do centro de Carolina. Cleuber Cunha Moreira é o carolinense, 55 anos, ex-funcionário do Banco do Brasil que decidiu investir no setor do turismo.

Em junho de 1993, na estação de veraneio, foi inaugurado o complexo “Cachoeiras do Itapecuru”, com suas cachoeiras gêmeas de águas volumosas e temperatura em torno de 24°. Cleuber conta com a parceria incondicional de sua filha Laís Parreão Cunha, também natural da cidade com 28 anos de idade, formada em enfermagem, mas que optou por trabalhar ao lado de seu pai.

Carolina (MA) - Foto Adilson Zavarize

Laís é responsável pelo setor de reservas, promoção e marketing da Localizada a 30 km do centro da cidade, as cachoeiras gêmeas do Rio Itapecuru é um dos complexos turísticos mais tradicionais do destino. Ele conta com serviços de alimentação e hospedagem e oferece chalés com preços que variam em torno de R$ 200 o casal por dia, mais a taxa de acesso ao atrativo que custa R$ 30. Além de banho em águas cristalinas e contemplação cênica, é possível realizar passeios em caiaques na lagoa que ficam disponíveis para locação.

SERVIÇO

Onde ficar – O New Center Hotel fica no coração da cidade, bem em frente à Praça Alípio de Carvalho, um local privilegiado ao lado da mais importante avenida da cidade a Getúlio Vargas que até hoje guarda os belos casarões coloniais do século passado e que fizeram parte da história dessa importante cidade maranhense. Perseu Barros Bezerra, empresário carolinense de 33 anos e sua esposa, Talyssa Damasceno, bacharel em turismo de 37, inauguraram em 2015 o New Center Hotel.

Talyssa que é da cidade de Sítio Novo no Estado do Maranhão conheceu Perseu quando veio a cidade de Carolina em uma visita técnica do curso de turismo. Perseu afirma que a opção pelo setor de turismo foi um incentivo da esposa e também por acreditar que o segmento de hospedagem poderia apresentar bons resultados.

O New Center Hotel é um dos mais novos empreendimentos de hospedagem em Carolina. Localizado no coração do centro histórico. O hotel conta com instalações modernas e diárias a partir de R$ 140 por casal.

Carolina - Maranhão - 1.jpg

Onde comer – Bem no centro da cidade, fica o Bar & Restaurante Mocotozin. São quase 35 anos na cidade de Carolina. O restaurante busca excelência em seus serviços, sempre focando a qualidade dos produtos, a diversidade do cardápio e a excelência no atendimento. Dona e sócia do empreendimento, a administradora Cátia Regina Machado tem 32 anos, cresceu em Carolina, onde seus pais sempre comandaram o estabelecimento.

Antes de adentrar no caminho dos sabores, estudou Gestão de Pessoas, mas a paixão pelo negócio da família falou mais alto. Juntamente com seu irmão Ederson Rochell Machado, com estilo e personalidade próprios, trouxeram a tradição e inovação como marca da parceria entre uma família que tem paixão em servir. O cardápio respeita o diálogo permanente com os sabores e saberes da contemporaneidade.

Como ir – Partindo de São Paulo, você pode pegar os aviões da Tam ou Azul para Imperatriz ou descer em Araguaina pela Passaredo. De lá, contrate uma empresa de receptivo ou alugue um carro para chegar em Carolina.

Quem leva – Contrate sem medo os serviços da empresa de receptivo ZecaTur. Zeca é o proprietário, um pernambucano de Caruaru que adotou Carolina como sua terra natal.  Pessoa genial e bastante conhecedora da região. Faz turismo compartilhado e na maioria das vezes oferece o melhor custo/benefício em relação aos passeios locais. agenciazecatur.com.br

Informações: seturcarolina.com.br

De frente ao mar, a Pousada Bella Mar oferece conforto e aconchego

•Outubro 30, 2017 • Deixe um Comentário

Praia Brava - Trindade - Paraty - Foto Ricardo Gaspar.JPG

Praia Brava, Trindade, Paraty, Rio de Janeiro – Foto: Ricardo Gaspar

 

Por Caroline de Oliveira

Mar, a definição desta palavra é sempre a mesma: desejado, belo e adorável. É exatamente neste lugar que a Pousada Bella Mar está localizada, nas águas de Paraty, um simpático município do Rio de Janeiro. Patrimônio Histórico Nacional, a  cidade fundada em 1667 guarda até hoje os seus inúmeros encantos naturais e arquitetônicos. São casarões, igrejas e ruas que preservam intactos a memória dos tempos de Brasil Colonial.

Ruas coloniais de Paraty - Foto Florian Höfer - Commons Wiimedia.jpg

Ruas coloniais do centro histórico de Paraty – Foto: Florian Höfer/Commons/Wikimedia

Concentrados sobretudo no centro histórico, onde o acesso aos carros é proibido, esses tesouros ali permanecem, resistentes ao desenrolar dos anos. Basta querer desvendá-los. Quanto aos encantos naturais, Paraty abriga aproximadamente 60 praias. Entre elas, a Praia Grande. Além de ser um cais para pescadores e receber um dos maiores festivais da cidade, possui uma trilha que leva o visitante até uma prainha de ondas.

Paraty  - Cais - Foto Florian Höfer Wikimedia.jpg

Paraty – Cais – Foto: Florian Höfer/Commons/Wikimedia

Se pretende conhecer essa histórica cidade  brasileira, uma sugestão de hospedagem é a Bella Mar. Com localização estratégica – está a apenas dez minutos de carro do centro histórico -, a pousada é aconchegante e oferece uma boa estrutura. Sua área de lazer conta com piscina e sala de televisão. No local há 16 apartamentos e todos eles possuem banheiros privativos, frigobar e televisão.

Paraty

As calçadas com pedras “pé-de-moleque”, tesouro histórico do Brasil. Foto: Bruno Jeliel

Oferecendo apenas o café da manhã, os proprietários, Yara e Anderson, indicam um ótimo restaurante para almoço e jantar. O Bar e Restaurante do Ademar está situado no alto de uma pedra, de onde se tem uma vista incrível das praias e das montanhas e se pode saborear o melhor da culinária caiçara.

Paraty3 - Foto Bruno Jeliel

As agências turísticas locais disponibilizam diversos passeios de escuna. Foto: Bruno Jeliel

A pousada, além de oferecer uma competente estrutura para receber toda a família, também atende com carinho os pets. Só mais uma dica: os casais que escolherem a Bella Mar como opção de lua de mel irão se surpreender com os pacotes que encontrarão e com a diversidade de opções.

Paraty 1 - abrePousada Bella Mar. Foto: Bruno Jeliel

Como Paraty não possui fácil acesso para quem não está de carro, a pousada facilita o caminho fazendo um trabalho de transfer da rodoviária da cidade para o local, deixando os hóspedes mais à vontade e satisfeitos.

Vista de Paraty a  partir do mar. Em destaque, a Igreja Santa Rita de  Cássia - Foto Mariordo Mario Roberto Duran Ortiz - Commons - Wikimedia.JPG

Vista de Paraty a partir do mar. Em destaque, a Igreja Santa Rita de Cássia – Foto Mariordo Mario Roberto Duran Ortiz/Commons/Wikimedia

Informações sobre a pousada: www.pousadabellamar.com.br

Itirapina: a nova descoberta do turismo rural no interior de São Paulo

•Outubro 29, 2017 • Deixe um Comentário
Itaqueri da Serra - Foto Wikimedia.jpg
Foto: Wikimedia

Por Claudio Lacerda Oliva                        Fotos: Adilson Zavarize

Pertencente ao Circuito Turístico da Serra de Itaqueri, Itirapina é uma simpática cidadezinha do interior acolhedora e cheia de recursos naturais. Localizada a 214 quilômetros da capital paulista, o que não falta por lá são boas atrações. Os amantes de ecoturismo ficarão loucos ao descobrirem que um único destino abriga mais de 20 cachoeiras, de diferentes tamanhos e quedas d’águas.

Além disso, a cidade é também conhecida pelo seu rico turismo rural. Fazendas imponentes, fauna e flora abundantes cobertas pelo bem preservado cerrado paulista completam as belas paisagens. Nas estradas rurais, é possível se deparar com lobos-guarás, casais de seriemas e quero-queros, ou com bandos de macacos, maritacas e tucanos. Outro pássaro abundante na região é o pica-pau.

Os passeios de barco, caiaque e a pescaria artesanal podem ser realizadas na represa do Broa, a mais limpa e bela do Sudeste brasileiro. Cachoeiras, clima agradável, trilhas, mirantes, fazendas e vilas históricas e uma rica e diversificada culinária completam o que podemos chamar de “destino perfeito”.

Seu fácil acesso possibilita que pessoas de diversas regiões do estado se desloquem para visitar Itirapina, e até mesmo os aventureiros poderão desbravá-la. A cidade fica no coração do estado de São Paulo e é bem servida por ótimas rodovias.

Embora o município esteja ainda caminhando para se estruturar turisticamente, vale conhecer e se hospedar num dos mais completos resorts de São Paulo. O Broa Golf Resort oferece uma invejável estrutura com segurança e uma praia de água doce deliciosa. São quase 400 metros de praia exclusiva, campo de golfe, esportes náuticos, piscinas e uma ótima equipe de recreação. Além disso, o hotel oferece gastronomia diferenciada, mesclando pratos internacionais e regionais, com um toque de glamour.

Povos indígenas – Itirapina (“Morro Pelado” em tupi) cresceu a partir de um antigo povoamento do século XVII. Foram indígenas do tronco tupi e jê, principalmente, os que ali habitavam na época das primeiras expedições bandeirantes, a partir do litoral e rumo ao interior, para explorar riquezas naturais e caçar e comercializar indígenas. Os poucos relatos de viajantes e outros registros da época revelam pequenas e esparsas propriedades que sobreviviam da agricultura de subsistência.

 

Foto: Adilson Zavarize

A efetiva ocupação se deu apenas no século XIX. A construção da capela de Nossa Senhora da Conceição foi iniciada em 1839. Mas, apesar desses registros a cidade só comemora seu ano de fundação a partir de 1935 (atualmente tem 82 anos), quando adquiriu a condição de munícipio, abrangendo o distrito de Itaqueri, que fica a 30 quilômetros do centro da cidade. Itaqueri (“Rio da pedra dormente”, em tupi) era uma pequena vila de colonizadores portugueses, um dos pontos de parada das caravanas que iam de Mogi-Mirim a Araraquara no século XVIII.

Um de seus ilustres moradores foi o deputado Ulysses Guimarães. As construções históricas retratam o passado, como a casa onde o político nasceu, em 1916, e a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, que possui uma imagem da santa entalhada em carvalho, trazida da Ilha da Madeira pelos primeiros colonos. A igreja é pequena, porém repleta de imagens e mosaicos.

Natureza – Outra atração são as rodovias onde ciclistas cortam as estradas sinuosas da região para praticarem o cicloturismo, atividade que vem crescendo de maneira exponencial da região e principalmente no interior do município. Em alguns fins de semana, as estradas de Itirapina chegam a reunir mais de mil ciclistas, todos em busca de belas paisagens e ar puro.

O Mirante das Águas e o Morro do Fogão são outras opções naturais para se divertir em Itirapina. Em seus 22 mil m², o mirante abriga as cachoeiras do Monjolinho com 12 metros, a da Ferradura com 47 metros e, a mais famosa, a do Saltão, com uma queda de 75 metros. Há também trilhas, área para camping, chalés, restaurante e uma pequena estrutura de lazer com piscina e playground. Os visitantes podem optar por duas maneiras de chegar até a grande queda: observando-a da entrada da portaria, ou descendo uma escadaria de 400 degraus. Acredite, vale muito a pena!

 

Foto: Adilson Zavarize

Conheça também as Cachoeiras de São José, Passa Cinco e Itaqueri, que são belíssimas e bem preservadas. Há ainda mais 15 quedas que não são exploradas pelo turismo. Muitas cachoeiras de Itirapina fizeram a fama de São Pedro e de Brotas, e agora a cidade trabalha intensamente para destacá-las no cenário estadual e internacional.

A Estação Experimental pertence ao governo do estado com área de uso publico com pista da saúde, trilhas, represa e grande área verde. fica na rua oito vila santa cruz. Conhecida popularmente como  Fazendinha.

Como chegar – Saindo da capital, de carro, pegue a Rodovia dos Bandeirantes e depois entre na Rodovia Washington Luís, passando por Rio Claro e Corumbataí. Depois, pegue o acesso para Itirapina. São mais 10 quilômetros até chegar à cidade.

Onde comer – Paraíso das Águas: Restaurante – www.paraisoaguas.com.br

Cia do Salgado: Restaurante e Pizzaria – www.ciadosalgado.com.br

Vale experimentar também os quiosques da Praça Central, como opção para a alimentação a noite. Sanduíches, panquecas, massas e salgados, além de bons salgados são o destaque.

Onde ficar – Broa Golf Resort: Hospedagem  e Restaurante – www.broagolfresort.com.br

Mirante das Águas: Hospedagem em chalés e camping (restaurante aos finais de semana) – www.saltao.com.br

Paraíso das Águas: Hospedagem em Pousada e Restaurante – www.paraisoaguas.com.br

 

São Thomé das Letras preserva natureza e história

•Outubro 27, 2017 • Deixe um Comentário
São Thomé das Letras

Por Caroline de Oliveira    Fotos: Bruno Jeliel

 

A cidade mística de São Thomé das Letras é refúgio para os apreciadores de boas histórias, lendas e, claro, paisagens que deixam qualquer um de boca aberta. As cachoeiras e as grutas são bastante procuradas pelos fãs de carteirinha da cidade. A mineira São Thomé, que não era nem um pouco turística, começou a conquistar os corações dos paulistas e fluminenses, que visitam todo o mês a cidade.

Segundo alguns moradores e proprietários de pousadas e campings, durante a semana, São Thomé é vazia, silenciosa e calma, mas o fim de semana compensa toda essa tranquilidade. Não importa se é período de férias, feriados ou datas comemorativas, em todos os finais de semana do ano inteiro, o município mineiro recebe ônibus lotados de visitantes – alguns que chegam pela primeira vez e outros que não conseguem deixar o lugar de fora do coração e repetem a dose.

Histórias com ETs e gnomos e as ruas de pedras são tradições por lá. Desde a rua principal até o portal, há sempre um cantinho com pequenos santuários dedicados a São Thomé, casas, ruas e comércios em pedras e alguns hippies vendendo peças lindas como colares, anéis e pulseiras feitos com pedras. Já deu para perceber que por lá quase tudo se resume a pedras!

O centro histórico é pequeno, porém concentra uma grande variedade de lojas de roupas e lembrancinhas, restaurantes, bares, pubs, lanchonetes, galerias, campings e pousadas. Em relação à alimentação, à estadia e às compras, há diversas opções para agradar a todos os bolsos e gostos. Mesmo se você não tem um estilo muito colorido, confesso que será hipnotizado pelas roupas e terá vontade de comprar tudo.

Falando nos passeios, acredite, são muitas opções. A cidade pode até ser pequena, mas há muito que fazer. No total, são mais de sete cachoeiras e grutas, que variam de todos os tamanhos e formas possíveis. A Cachoeira Vale das Borboletas é a mais próxima da cidade – são cerca de 40 minutos a pé ou 12 minutos de carro.

No caminho da cachoeira, você entrará em uma propriedade que concentra camping, restaurantes e muitas pessoas vendendo bijuterias, o que completa o charme místico e hippie do local. A cachoeira tem esse nome por receber mais de 300 borboletas azuis em janeiro e, por isso, se tornou muito conhecida e famosa pela cidade. São duas pequenas quedas sobre uma piscina natural de águas transparentes que seguem para um caminho ainda mais raso.

São nessas horas que pensamos em ir de carro para ter a comodidade de chegar e voltar a qualquer hora e poder visitar qualquer outro lugar, dentro ou fora da cidade, sem se preocupar com mais nada, apenas a gasolina. Mas, se locomover entre as ruas pequenas e de paralelepípedos com um transporte próprio é difícil.

Por isso, a melhor opção é chegar a São Thomé das Letras de ônibus e fazer os passeios caminhando – a melhor parte é contemplar as paisagens de todos os ângulos e ter uma experiência diferente. Ou, se preferir, feche um pacote com agências de trips – ultimamente essa opção vem ganhando muito espaço no turismo.

Como a Cachoeira Vale das Borboletas é a mais próxima do centro, você pode optar por comer em um dos dois restaurantes situados por lá mesmo, que oferecem comida mineira no fogão a lenha por um preço bem justo, ou almoçar no centro da cidade. No restaurante Borboleta Azul, por exemplo, o prato sai por R$ 22 e você pode comer à vontade. Há também açaí, água, refrigerantes, queijos e doces de leite à venda.

Durante a tarde, ou no final dela, vá para a cidade e aproveite para caminhar sem pressa. Conheça a Igreja de Pedras, as duas galerias, a Igreja Matriz e a Gruta de São Thomé, conhecida por ter uma “passagem secreta” que te leva até Machu Picchu – a gruta é aberta para visitação, porém essa passagem misteriosa está fechada, mas a lenda permanece viva.

Ao anoitecer você perceberá como a cidade fica cheia. Em alguns restaurantes há até fila para esperar uma mesa vazia. Uma curiosidade muito interessante é que, independentemente do lugar onde você comer, há sempre pizza no cardápio – por um momento você vai até pensar: cidade mística ou cidade da pizza? Mas enfim…

Além da pizza na pedra, você pode comer outra especialidade local: a deliciosa e saborosa comida mineira. Após curtir o jantar e sentir a leve brisa da noite, que tal ouvir um pouco de música? O Alcazar Rock Bar é uma boa opção. A construção e a decoração deste lugar são lindas.

De pedras por fora e por dentro, com a imagem de um mago na entrada para te dar as boas-vindas, por lá acontecem alguns shows ao vivo. A Caverna, o Corujão e o Altas Horas Rock Bar são outros bares com música e também boas opções para curtir a noite, tanto que chegam até a lotar de tanta gente.

Na manhã do dia seguinte, aproveite para ir até os principais pontos turísticos e assistir ao pôr-do-sol de um deles, como o Mirante São Thomé, a Pedra da Bruxa, a Pirâmide e o Cruzeiro. No Cruzeiro, há um espaço coberto de pedras onde muitos acreditam que estão concentradas energias.

Aproveite a chance para agradecer e montar a sua própria pirâmide de desejos, acreditando na esperança e canalizando a positividade do lugar para torná-los possíveis. A dica é visitar esses lugares quando ainda está claro – à noite pode ser um pouco perigoso e não é recomendado.

 

SERVIÇO

Quem leva

A Brother’s Trips é uma agência que está no mercado há dois anos e vem trabalhando em roteiros que proporcionam oportunidades e experiências marcantes. Apaixonados por viagens, Débora e Antônio decidiram abrir a agência para levar todos aqueles que também amam viajar para um bom destino no fim de semana. Segundo eles, São Thomé das Letras e Capitólio vêm crescendo de uma tal forma que é necessário realizar todo mês a ida de um grupo para lá.

A Brother’s trabalha com roteiros escolhidos pelos seus seguidores nas redes sociais e oferece pacotes completos, com hospedagem e até passeios pelos pontos turísticos mais desejados. Também fazem cervejadas e, dependendo da viagem, tem até churrasco. As acomodações variam de acordo com o lugar – podem ser em pousadas ou em campings. A alimentação é sempre por conta do viajante, exceto o café da manhã.

Para São Thomé das Letras, a agência cobra um valor de aproximadamente R$ 280 por pessoa, e o roteiro inclui transporte em ônibus executivo com banheiro, televisão e água, visita às cachoeiras mais famosas (Véu da Noiva, Paraíso, Flávio e Vale das Borboletas) e aos poços dos duendes, cervejada com música ao vivo em restaurante, fotógrafo para capturar os melhores momentos e domingo livre para compras – tudo isso incluso no valor.

E tem mais: além de ser recebido com muita simpatia, os idealizadores da Brother’s Trips estão expandindo para experiências internacionais, com destino à Bolívia e ao Chile de avião. Ainda não definiram uma data, mas a nova trip já está sendo estudada e planejada com muito carinho para os amantes de viagens.

Mais informações na página do Facebook: Brother’s Trips

 

Onde comer

Bar e Restaurante Borboleta Azul (situado na Cachoeira Vale das Borboletas)

Restaurante e Pizzaria Escapulário

Alcazar Rock Bar

O Alquimista – A Cantina

 

Onde ficar

Pousada Além da Lenda

Barra da Tijuca é charme, natureza e baladas imperdíveis

•Outubro 21, 2017 • Deixe um Comentário

Acompanhado de perto pelo azul-esverdeado do Atlântico, palmeiras centenárias e serras habitadas por imponentes montanhas, o elegante bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro tem cantos e encantos para seduzir a todos os estilos.

Praia da Barra  da Tijuca  - Rio de  Janeiro - Foto Wikimedia.jpg

Corcovado, Pão de Açúcar, Copacabana… Postais do Rio de Janeiro, sim. Mas, a cidade maravilhosa tem muito mais do que esses atrativos. Se você já conhece os pontos turísticos do centro e da Zona Sul fluminense, e quer ainda mais, que tal sair do desse circuito, e ir conhecer a badalada Barra da Tijuca, na Zona Oeste?

Cercada por belíssimas lagoas e exuberante natureza, a região acomodou 15 instalações onde aconteceram as competições de 23 esportes da Olimpíada em 2016. Já nos Jogos Paraolímpicos recebeu as disputas de outros 13 esportes. Agora, em 2017, foi a casa do Rock in Rio, um dos principais festivais de rock e música do mundo.

Barra_da_Tijuca - RJ - Foto Wikimedia.jpg

Mas, antes de começar a explorar o bairro, é bom entender sua geografia. A Barra da Tijuca é a área nobre na Zona Oeste. Tem como vizinhos os bairros de Itanhangá, Camorim, São Conrado, Jacarepaguá, Recreio dos Bandeirantes, Curicica e Joá. É habitada pela classe média alta – 87% dos moradores do bairro pertencem a ela. A maioria de seus condomínios está abraçada por parques, jardins, lagos e espaços verdes.

Em alguns deles funcionam ainda mini shopping centers, escolas, igrejas, quadras esportivas e restaurantes. A área de prédios mais luxuosa da Barra é o Jardim Oceânico, caracterizado por seus prédios baixos. O bairro começa na ponte sobre o Canal da Joatinga e termina nas avenidas Salvador Allende e Alfredo Baltazar da Silveira, onde começa o Recreio dos Bandeirantes.

Vista aérea da Ponte Estaiada da Barra da Tijuc a - RJ - Foto Site Mobolize.org.br

A Avenida das Américas é a principal via da Barra, cruzando-a no sentido Leste-Oeste. Outra avenida importante é a Ayrton Senna, que começa na Praia da Barra da Tijuca e faz a ligação do bairro com Jacarepaguá pela ponte sobre a Lagoa do Camorim.

Como curiosidade, vale saber que a Barra foi dos poucos bairros planejados da cidade, embora grande parte do projeto original de Lúcio Costa já tenha sido abandonado. Por isso, quando estiver por lá, observe as ruas largas do bairro ao estilo de Brasília, cidade também planejada pelo arquiteto e urbanista brasileiro.

Av. Ayrton Senna

As ruas da Barra da Tijuca abrigam a maior concentração de supermercados e de shopping centers da cidade (ali ficam o de mais alto nível social do Rio de Janeiro, o Village Mall, e o maior do Estado, o Barrashopping). Mas, ao todo, o bairro possui 16 deles. Agora que você já tem algumas informações sobre a Barra, saiba que o acesso às suas ruas é bem fácil.

BRT Transoeste - RJ

Além das vias que levam até a Zona Oeste, incluindo a que liga a Zona Sul à Barra, você pode usar a Linha Amarela e a Transoeste. Se optar pelos transportes públicos, saiba que tem três linhas do Bus Rapid Transit (BRT) à disposição: a Transolímpica, a Transoeste e a Transcarioca, além do metrô que hoje liga a Estação Uruguai, na Tijuca, à Estação Jardim Oceânico, na Barra. Na estação Jardim Oceânico ainda é possível pegar o BRT até o local que desejar.

Rio - praia

Praias e montanhas – Beleza é o que não falta ao bairro. São relevos tingidos por montanhas e pela Serra da Pedra Branca, palmeiras vigiadas pelo azul-esverdeado do Atlântico. Só para você ter uma ideia, o bairro possui extenso litoral, sendo que praticamente metade é área de reserva ambiental, a Reserva da Barra.

Praia_da_Barra_da_Tijuca_-_Dia_de_sol - Wikimedia

A Zona Oeste, aliás, tem 28 km de praias. São elas: do Pepê, da Barra da Tijuca, da Reserva, do Recreio, do Pontal, da Macumba, Prainha, do Abricô (nudismo) e a de Grumari. A Praia da Barra da Tijuca tem água esverdeada que se exibe ao longo da Avenida Lúcio Costa até o Recreio dos Bandeirantes. É a maior do Estado.

Praia de Grumari - RJ.jpg

Logo em seu início fica a Praia do Pepê, point dos jovens que moram no bairro. Ela é ideal para praticar surfe, windsurfe, bodyboarding, pesca de beira e asa delta. Animada, é passarela de gente bonita e bronzeada. Pela sua extensão também desfilam bares, restaurantes, quiosques e ciclovia. A partir da Av. Ayrton Senna, não tem calçadão por ser uma região de preservação ambiental.

Seguindo pela areia da praia, encontra-se a Av. Lúcio Costa, antiga Avenida Sernambetiba, que se prolonga até o final da Praia do Recreio. O paraíso dos longboarders, por sinal, fica entre a Praia do Recreio e a Prainha. É uma praia extensa com quiosques por toda a orla e ciclovia. A Pedra do Pontal separa a Praia da Macumba da do Recreio.

Praia da Macumba.JPG - principal

Em maré baixa, um estreito caminho na areia se forma da praia até a pedra, permitindo que se chegue até lá. Se você decidir subir até o seu cume, saiba que seu esforço será brindado com uma vista inesquecível: do lado direito, vai admirar toda a extensão de areia do Recreio à Barra da Tijuca. E do lado esquerdo, dá para ver a Prainha. Com ondas altas, é o reduto dos surfistas.

Pantanal carioca – É inimaginável pensar que em plena Barra da Tijuca existe um paraíso ecológico praticamente intacto. Mas ele existe. Tem 10 mil km2 e é o lar da Marapendi, uma lagoa que é emoldurada pela exótica vegetação da Reserva de Marapendi, uma área de proteção ambiental criada em 1991, com trilhas, playgrounds e locais destinados a piqueniques.

Balsa - lagoa do Marapendi

A lagoa se exibe ao longo dos bairros da Barra da Tijuca e do Recreio dos Bandeirantes e é povoada por restingas e manguezais, onde estão presentes o mangue-vermelho, o mangue-branco e siriúba. Às suas margens e em suas águas também moram diversas espécies de caranguejos, siris, peixes, garças, patos selvagens, lagartos e o jacaré-de-papo-amarelo.

A lagoa é palco para a prática de esportes náuticos como remo, canoagem e windsurfe. Mas, apesar de sua beleza, é imprópria para banho e pesca devido à poluição. Após a conclusão das obras do emissário submarino da Barra da Tijuca e de Jacarepaguá, a lagoa parou de receber o esgoto dos condomínios vizinhos, estando suas águas agora em processo natural de limpeza.

Lagoa do Marapendi.JPG - 1

É possível conhecer de perto esse cantinho preservado de natureza. É só embarcar em uma aventura por balsa. Ela é feita pela Barrabalsas, empresa que oferece passeios ecológicos e tours formatados para atender as necessidades de cada cliente. Suas embarcações, de diferentes tamanhos e com capacidade para acomodar desde um pequeno grupo até 120 passageiros, têm saídas diárias (os horários podem ser conferidos no site www.barrabalsas.com.br).

O tour que conduz até a praia tem duração de 5 a 15 minutos, enquanto os ecológicos são acompanhados por biólogo e têm como foco a educação ambiental. Durante 1h30, os passageiros aprendem sobre o ecossistema local, admirando flores e plantas endêmicas e diferentes espécies de aves, peixes e mamíferos.

Cidade Olímpica – Foi na Barra da Tijuca que aconteceram as competições dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos em 2016.  Assim, vale muito a pena conhecer o Complexo Esportivo dos Esportes, ou simplesmente a Cidade Olímpica, como é mais conhecido o local. Mas, atenção, leve água se não quiser passar sede, pois no interior do parque não há bebedouros nem ambulantes vendendo sucos, refrigerantes…

Parque Olímpico 2

Com jardins bem-cuidados, muito espaço ao ar livre e paisagens indescritíveis, abriga em seus 42 mil m2 o Parque Aquático Maria Lenk (cujas piscinas olímpicas testemunharam as competições do recordista norte-americano Michael Phelps, além de outras de natação, nado sincronizado e saltos ornamentais), a Arena Multiuso e o Velódromo da Barra.

Tanto o parque aquático como o velódromo foram arrendados pelo Comitê Olímpico Brasileiro, que mantém parte de seus escritórios por lá. Para quem não sabe, até o início da década de 1990, as competições de Fórmula 1 eram realizadas no Autódromo Internacional Nélson Piquet (ex-Jacarepaguá), quando foram transferidas para São Paulo. Hoje, com um circuito menor, o autódromo recebe outras categorias de corridas automobilísticas.

Parque Olímpico - Rio - Foto Wikimedia.jpg

Reaberto ao público em janeiro deste ano, após ter sido fechado, o complexo tem capacidade para receber cerca de oito mil pessoas e possui quadras, áreas para treinos de judô, centro de treinamento de outros esportes e academia de musculação, além de ser o endereço de cursos e workshops. Pouco adiante de sua entrada, guarda o Muro dos Campeões, um monumento que registra cada uma das 2.568 medalhas distribuídas durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos.

Praia do Secreto - RJ - marcelo piu

A glamorosa Barra da Tijuca e os bairros da Zona Oeste do Rio de Janeiro são muito mais do que esses postais. Guardam surpresas e possuem muitos outros encantos para revelar. Abaixo seguem alguns deles. Aproveite a aventura e curta bastante. Boas descobertas!

SERVIÇO

O que fazer

Cidade Olímpica – Está localizado a cerca de 3 km do Oceano Atlântico, no Cabo Pombeba, uma formação geográfica triangular que avança sobre a Lagoa de Jacarepaguá.

Lagoa - principal.jpg

Parque Natural Municipal de Marapendi – Integra uma área de proteção ambiental destinada à preservação da vegetação de restinga e manguezal da cidade do Rio de Janeiro. Sua entrada fica à Av. Alfredo Baltazar da Silveira, entre as avenidas Ayrton Senna e Pedro Moura, no Recreio dos Bandeirantes, tel. (21) 3600-4252.

Night – Se você curte a noite, saiba que as principais baladas da Barra da Tijuca são o Zax Club (www.zaxclub.com.br), o People Club (www.peopleclub.com.br), 021 (www.boate021.com.br), a Boate all In (www.boate-allin.com.br) e o Le Club (http://voguesquare.com.br/le-club), além das casas de shows Barra Music (www.barramusic.art.br), KM de Vantagens Hall RJ (antigo Metropolitan) e Jeunesse Arena (http://jeunessearena.com.br).

Mercado de Produtores Uptown Barra da Tijuca – Além dos restaurantes uruguaio Parilla del Mercado com música ao vivo, do japonês Benkei e do espanhol Mercado La Plancha, o espaço inspirado no Mercado da Ribeira de Lisboa, (Portugal) reúne, em seus 6,5 mil m2 e dois andares, o Açougue Vegano, a Quitanda dos Produtores e a delicatessen Boulangerie Carioca.

Mercado de Produtores Uptown Barra da Tijuca - Foto Joyce Braga

Ali também estão o Mate do Vovô, a enoteca Mundo do Vinho, a Boutique de Peixes La Plancha e a Peixaria Delta Mare, além de bares, empórios, floriculturas e barraquinhas de frutas, de produtos alimentícios, de sorvetes e de artesanato. Av. Ayrton Senna, 5.500, tel. (21) 3030-5500, Barra da Tijuca.

Onde ficar   

Ramada Encore Ribalta – Fica a 8 km da Cidade Olímpica. Oferece estacionamento e transporte para o hospede até o píer, onde ele segue de balsa para uma das melhores praias da Barra, a Praia da Reserva. Av. das Américas, 9.650, Barra da Tijuca, tel. (21) 2432-6000, www.verthoteis.com.br/hoteis/ramada-encore/ramada-encore-ribalta.

Píer para a  Lagoa.jpg

Ramada Recreio Shopping – O hotel três estrelas tem acesso ao Recreio Shopping e  possui 192 quartos para uma, duas e até três pessoas, além de acomodações adaptadas para portadores de necessidades especiais. Conta com centro de convenções para até 1.100 pessoas, restaurante (aberto ao público), bar, academia e estacionamento.  Av. das Américas, 19.019, http://www.verthoteis.com.br

Ramada Recreio - RJ.jpg

E-suites Riocentro Verano Stay – Situado a menos de 2 km do Parque Olímpico, o apart hotel funciona em soft opening e possui 272 apartamentos, sendo que a suíte superluxo possui cozinha com geladeira, fogão e micro-ondas, além de lavanderia com tanque e disposição para máquina de lavar. Abriga ainda piscinas, sauna, fitness, espaços para eventos e estacionamento. Rua Escultor Sérgio Camargo, 50, Barra da Tijuca, tel. (21) 2214-8000, www.verthoteis.com.br/nossas-marcas/esuites