Cantos e encantos da Chapada dos Guimarães

Dividindo as terras de dois municípios mato-grossenses – a capital e a cidade de igual nome –, o Parque Nacional Chapada dos Guimarães guarda recantos naturais de absoluta magia, onde vivem, se reproduzem e se multiplicam dezenas de espécies endêmicas, preciosos tesouros do País.

Por Fabíola Musarra

Cachoeira Véu de Noiva - Chapada dos Guimarães - Foto Commons Wikipedia

O Brasil é um país privilegiado em parques e reservas naturais. Cada um deles tem belezas e encantos únicos. O da Chapada dos Guimarães não é uma exceção. O extenso território verde está localizado no Estado de Mato Grosso, nos municípios de Cuiabá e Chapada dos Guimarães. Fica aproximadamente a 60 km da capital mato-grossense e tem como uma de suas portas de entrada a simpática (e próspera) cidadezinha de mesmo nome da reserva, a 12 km de distância.

Vista da Chapada - Foto Site Tuiutur

Permeado por hipnotizantes paredões de arenito laranja-avermelhado, este emblemático patrimônio tupiniquim foi transformado em parque em 1989. É administrado pelo ICMBio, órgão federal que visa a melhor preservação e o menor impacto ambiental de seus ecossistemas naturais – em setembro do ano passado, a reserva foi temporariamente fechada à visitação pública devido a um incêndio de grandes proporções que duramente a castigou por vários dias.

Circuito das Cachoeiras, córrego da Independência - Foto por Gcom - MT - Rafaella Zanol

O Córrego da Independência é apenas uma das atrações que integram o Circuito das Cachoeiras. Foto: Rafella Zanol/Gcom/MT

Hoje, reaberto, o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, como é o seu nome oficial, pulsa e é habitado por diversas espécies da fauna e flora endêmicas. Percorrer seu interior é vivenciar o burburinho de seus riachos e de suas cachoeiras, ao som do canto de pássaros, araras e demais aves e animais que convivem em seu interior. É ainda testemunhar formações megalíticas, lagoas de águas azulzinhas e bucólicas paisagens, templos sagrados desenhados pela natureza.

Flora do Cerrado Matogrossense - Foto por Gcom - MT - Rafaella Zanol

A flora da Chapada dos Guimarães é diversificada e exótica. Foto: Rafaella Zanol/Gcom/MT

O parque ocupa uma área de 327,7 km2, por onde se revezam a exótica vegetação do cerrado, veredas, vales, sítios arqueológicos, formações rochosas, cânions, morros e mirantes naturais, lagos, rios e trilhas, muitas das quais conduzem às belíssimas cachoeiras que se multiplicam em seu interior. A mais famosa delas – tanto que é o principal postal do parque – é a Véu de Noiva, com 86 m de queda.

Marco do Centro Geodésico da América do Sul - Foto Tripadvisor

Marco do Centro Geodésico da América do Sul, local assim batizado por distar exatos 1.600 km dos oceanos Atlântico e Pacífico. Foto: Triadvisor

Coração da América – Palco de inenarráveis cenários, a reserva abriga ainda o Centro Geodésico da América do Sul, local assim batizado por estar situado a exatos 1.600 km de distância dos oceanos Pacífico e Atlântico. Em dias claros, deste mirante é possível ver a cidade de Cuiabá. Lá do alto, a vista panorâmica da região de cênica beleza é só mais uma das muitas cortesias oferecidas pela mãe-natureza a este abençoado pedacinho de solo brasileiro.

Morro de São Jerônimo - Chapada dos Guimarães Foto Commons Wikipedia

Com quase 840 m de altura, o Morro de São Jerônimo é o mais alto do parque. É um roteiro feito sob medida para quem curte escalar. Foto: Rafaella Zanol/Gcom/MT

Para quem gosta de escalar e tem uma boa dose de preparo físico, a pedida é o Morro de São Jerônimo. Com quase 840 m de altura, é o mais alto da região. Dependendo do ritmo de cada um, a caminhada até este mirante pode demorar de cinco a sete horas, entre a ida e a volta. Mas atrações que não exigem tanto esforço e condicionamento não faltam por ali.

Lagoa Azul (MT) Foto por Gcom - MT – Rafaella Zanol

A Lagoa Azul, com  sua piscina natural de água azul-turqueza, é um dos pontos altos da região. Foto: Rafaella Zanol/Gcom/MT

Bem pertinho do parque, por exemplo, ficam  a impressionante Gruta Aroe Jari, a Lagoa Azul e a Caverna Kiogo Brado. Com nascentes, riachinhos e lago de águas azuis-esverdeadas limpinhos, a primeira é a maior caverna de arenito do Brasil, com seus imponentes 10 m de altura, 60 m de largura e 1.550 m de extensão. Seu interior guarda ainda vestígios de inscrições rupestres.

Lagoa Azul - Foto de Geraldo Lúcio - Secretaria de Turismo do MTA cor da água da Lagoa Azul é atribuída à presença de arenito em seu solo. Foto: Geraldo Lúcio/Secretaria de Turismo/MT 

Próximo à entrada, existe uma nascente que formou a Lagoa Azul, piscina natural de águas translúcidas, cujos infinitos tons de azuis brincam e se intercalam, refletindo nas paredes da gruta. Depois de uma pequena caminhada, chega-se à Caverna Kiogo Brado. Após passar pela sua entrada de cerca de 30 m de altura, é preciso percorrer uma elevada trilha de 273 m de extensão. Ela conduz à extremidade oposta da gruta. Lá, embaixo, um curso de água ziguezagueia entre as pitorescas formações, acompanhando todo o trajeto.

Entrada da Caverna Kiogo Brado Foto Gcom - MT - Rafaella Zanol

A imponente Caverna Kiogo Brado, nome indígena que significa ninho das aves, assemelha-se a uma fortaleza. Foto: Rafaella Zanol/Gcom/MT

Sozinho, não! – O ingresso a esses memoráveis tesouros tecidos ao longo de milhões de anos pelo deus tempo somente é feito com o acompanhamento de guia. O mesmo acontece com os passeios pelo interior do parque, incluindo o Circuito das Cachoeiras, a Casa de Pedra e a Cidade de Pedra, para os quais são necessários o agendamento e a companhia de um guia.

Ponte de Pedra - Foto por Gcom - MT - Rafaella Zanol

A Ponte de Pedra, um dos muitos atrativos do parque. Foto: Rafaella Zanol – Gcom/MT

Para contratar um deles, basta entrar em contato com as agências de turismo ou com os guias e condutores independentes da Chapada dos Guimarães. Todos eles oferecem pacotes de roteiros com diferentes dias de duração à reserva e para as atrações de seu entorno.  A entrada do parque e dos demais atrativos é gratuita.

Antes de ir, porém, saiba que na Chapada não há malária ou qualquer outra doença transmitida por mosquitos. Porém, ao amanhecer e entardecer, mosquitos “pólvora” lotam a paisagem, especialmente aquelas que estão próximas aos cursos de água. Assim, é recomendável o uso de repelente, como também o de protetor solar, já que o sol da Chapada, principalmente no período da seca (maio a setembro), é forte.

Calor e insetos à parte, é bom saber que estará proibido pelo Ibama de tomar banhos nas cachoeiras, caso tenha recorrido aos repelentes, protetores solares, bronzeadores e óleos. Também vale lembrar que para explorar as maravilhas do lugar, você terá de usar perneiras (são disponibilizadas pelas agências de viagens), pois cobras e animais peçonhentos, como aranhas e escorpiões, vivem no parque. Opte por roupas e tênis confortáveis. Não se esqueça do boné ou chapéu.

A cidade – Chapada dos Guimarães é um município cheio de charme e total sedução, onde vivem e convivem habitantes e turistas vindos de todos os cantos do mundo. A cidade fica 860 m acima do nível do mar. Por isso, é comum as noites serem mais frias por lá, principalmente de maio a setembro, quando o outono e inverno também tornam as temperaturas mais amenas durante o dia.

Chapada dos Guimarães (MT) - Foto do udiviagens.blogspot.com.br

O centro da charmosíssima cidade possui pequenas lojas onde encontra-se artesanato e restaurantes típicos. Chapada dos Guimarães (MT). Foto: Werner Zotz

A cidade conta com boa infraestrutura de hospedagem, além de oferecer variadas opções para os amantes de um bom garfo. No cardápio, pratos típicos da gastronomia mato-grossense, como Maria Isabel (arroz com carne seca), mandioca e farofa com banana-da-terra, além dos que têm como protagonista o pacu, o pintado e os demais peixes da região.

Cidade - Chapada dos Guimarães Foto Encontre Viagem

Chapada dos Guimarães possui casarões centenários, hospital, farmácias, agências bancárias, correios e postos de combustível, entre outros serviços. Foto: Site Encontre sua Viagem

A Chapada dos Guimarães possui hospital, farmácias, agências bancárias, correios e postos de combustível, entre outros serviços. Sua praça central, a Dom Wunibaldo, é ponto de encontro de gente bonita e descolada. Também é ali que acontece aos sábados de manhã uma pequena e animada feira de artesanato.

Igreja de Santana - Chapada dos Guimaraes

A Matriz de Santana, a santa padroeira de Chapada, fica na central Praça  Dom Wunibaldo.

A praça abriga ainda a Matriz de Santana, a padroeira da cidade que todo mês de junho é homenageada com uma concorrida festa. Acredita-se que a antiga e original igreja tenha sido  erguida por jesuítas com o auxílio dos dóceis indígenas que ali viviam. Fundada por Dom João 6° em agosto de 1811, é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Se você ficou interessado e pretende ir para lá, o site www.chapadadosguimaraes.com.br pode te ajudar. Ele disponibiliza informações sobre pousadas, hotéis, camping, bares, pizzarias e restaurantes da Chapada dos Guimarães, fornecendo também dicas sobre o comércio local, além de preços e horários de empresas de ônibus que partem de Cuiabá rumo à cidade. Também o www.chapadamt.com.br pode ser útil.  Boa viagem!

SERVIÇO

ONDE COMER – Pomodori Trattoria (http://pomodorichapada.com.br): Além de pastas e autênticas refeições italianas, a charmosa casa tem nas empadinhas de 12 recheios diferentes um de seus pontos fortes. Às sextas e sábados, a programação, geralmente, inclui shows com música ao vivo. Av. Quinco Caldas, 60, Centro, Chapada dos Guimarães, Mato Grosso. Tel.: (65) 3301 3061.

Restaurante Mirante Morro dos Ventos (www.morrodosventos.com.br): Situado a 200 m de altura, plataforma aérea que avança 5 m do paredão e com linda vista da Chapada, serve peixes e pratos típicos da gastronomia mato-grossense, como galinhada, costela de porco e vaca atolada. Estrada do Mirante, km 1, Rodovia MT 251, Chapada dos Guimarães, Mato Grosso. Tel.: (65) 3301-1030.

ONDE DORMIR – Pousada Penhasco (www.penhasco.com.br/novo/index.php): Com 54 apartamentos, salas de reuniões empresariais, restaurante com capacidade para 300 pessoas, piscinas aquecidas e de temperatura normal, quadras esportivas e salão de jogos, o empreendimento abriga uma reserva ecológica de aproximadamente dez hectares, onde fica uma passarela de madeira de 900 m. Aberto aos hóspedes e day use das 8 h às 18 h, o passeio em meio à natureza oferece uma paisagem única. Ao final da caminhada, há um mirante que proporciona vista panorâmica de um penhasco de 200 m. Av. Penhasco s/nº, Bom Clima, Chapada dos Guimarães, Mato Grosso. Tel.: (65) 3624-1000.

Bosque da Neblina Pousada e Eventos (www.bosquedaneblina.com.br): Situada em uma área verde repleta de árvores, a pousada recém-inaugurada tem ambientes caprichosamente decorados, oferecendo petiscos e gostosas refeições caseiras. Estrada Jamacá de Cima, km 2,5 s/nº, Chapada dos Guimarães, Mato Grosso. Tels.:  (65) 9958-9750 e (65) 9963-9750.

~ por Fabíola Musarra em Abril 29, 2016.

3 Respostas to “Cantos e encantos da Chapada dos Guimarães”

  1. Lugares fantásticos, pela sua forma de narrativa deu muita vontade de conhecer

    • O lugar é, de fato, lindo. Tão bonito que a gente nem sente vontade de conversar para não quebrar o seu encanto. Se puder, vá mesmo. Não espere conforto, mas paisagens paradisíacas, gente hospitaleira e gastronomia de primeira.
      Muito obrigada pelas suas palavras carinhosas.

  2. Adorei a matéria. Muito informativa, relata de forma até poética as belezas deste canto tão belo do país. Já entrou na minha lista de desejos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: