Pequeno dicionário alagoano

Conhecido como Caribe brasileiro, Alagoas tem como um de seus pontos altos a cor do mar, que vai do azul ao verde, incluindo todos os tons. Mas o Estado é muito mais que praias de areias de açúcar pontilhadas por coqueiros. Suas cidades transbordam história, cultura e um riquíssimo artesanato. Juntas, elas escondem encantos para todas as letras do alfabeto

Por Fabíola Musarra, com a colaboração na pesquisa de Vera Coelho 

Alagoas – Seu nome deriva das inúmeras lagoas que o Estado tem – a Mundaú é uma das maiores. De sua margem, no Pontal da Barra, em Maceió, pode-se embarcar em um passeio de escuna pelas suas águas e assistir a um indescritível pôr do sol.  Com saídas diárias às 9h e às 13h, os pacotes são vendidos nas barracas do Pontal. São cinco horas para percorrer sete ilhas em Mundaú, mais duas na Manguaba, com parada para banho na Prainha, onde o mar e as lagoas se encontram.

– Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares: para quem vai de avião, é a porta de entrada desse paraíso chamado Maceió, a capital do Estado.

Barra de São Miguel – Essa praia de águas azuis cristalinas fica a 25 km ao sul de Maceió. Se quiser almoçar ou se hospedar praticamente dentro do mar, a opção é o Village Barra Hotel (www.villagebarrahotel.com.br, tel. 3272-1000), que é gerenciado pelo educadíssimo Eliseu Barbosa. Além de todas as comodidades existentes em seus dois tipos de acomodações (luxo e standart), o hotel de 74 apartamentos, piscinas e restaurante oferece aos seus hóspedes a travessia de barco para a Praia do Gunga, que está 11 km adiante e fica dentro de uma fazenda de coco, no local onde o mar se encontra com a Lagoa do Roteiro. O acesso até lá também pode ser feito por jangada ou barco a motor, que partem do cais no centro de Barra. Logo na entrada do Gunga, lojinhas comercializam desde taças de areia extraída das falésias locais produzidas pelos irmãos Josué, Chistystiano e Marcelo Brant Carrasco (JoMarCrys, tel. 3272-1180) até pequenos mimos, como chaveiros, porta-lápis e imãs de geladeiras feitos de conchinhas, um trabalho social que emprega meninos de rua (Artesanato Aquário, tel. 9910-7696).

– Bolinho de goma: herança dos holandeses, é a típica guloseima do Estado. Feito com farinha de mandioca, manteiga, leite de coco, maisena, ovos, sal e açúcar,  essa espécie de sequilho em formato de concha, é vendida nas praias, bares, lojinhas e embarcações.

Costa dos Corais – Depois da Grande Barreira de Corais da Austrália, esse é a maior barreira coralina do mundo, com de 130 km de recifes de corais que se estendem de Paripueira (AL) até Tamandaré (PE). Desde 1997, é uma Área de Preservação Ambiental, criada para proteger a flora e a fauna marinhas da região. Como os recifes impedem que as ondas cheguem até as praias, a região abriga muitas piscinas naturais, onde o mar é sempre calmo e quentinho. Para conhecer todo o circuito do lado alagoano, pode-se partir de Maceió e seguir pela Rodovia AL – 101, que vai pelo litoral norte. Confira algumas cidades:

Paripueira – O nome dessa antiga colônia de pescadores significa praia de águas mansas, em linguagem indígena. Do Restaurante Mar & Cia (www.piscinasnaturais.com.br, tel. 3293-2031) partem catamarãs rumo aos recifes. Eles seguem sempre acompanhados por um biólogo que vai ensinando sobre as espécies que vivem nas piscinas naturais: ouriços, estrelas-do-mar e peixinhos coloridos.

Barra de Santo Antônio – É banhada pelo Rio Santo Antônio, que empresta seu nome à cidade. Seus principais atrativos são os monumentos históricos da arquitetura holandesa do século 18 e seus preservados manguezais e praias, como Tabuba, Ilha da Croa (na verdade, uma península separada do continente pelo Rio Santo Antônio) e Carro Quebrado.

Barra de Camaragibe – Berço de Aurélio Buarque de Holanda, autor do mais conhecido dicionário da língua portuguesa. Tem lindas praias, como a dos Morros e Marceneiro.

São Miguel dos Milagres – Entre suas praias de águas transparentes, encontra-se a do Toque.

Porto de Pedras – Em 1860, Dom Pedro 2º parou ali para descansar e se encantou com o lugar, que inclui praias paradisíacas como as de Patacho e Tatuamunha. Esta última foi escolhida para acolher o Projeto do Peixe-Boi Marinho. Responsável pela introdução do mamífero ameaçado de extinção na natureza, o espaço é aberto à visitação. Mas, com sorte, o dócil bichinho também pode ser visto próximo à foz do Rio Manguaba.

Porto Calvo – Foi um dos primeiros lugares a ser habitado por colonos portugueses, trazidos pelos donatários da antiga Capitania de Pernambuco. É também a terra de Domingos Fernandes Calabar, considerado pelos portugueses um traidor e por muitos historiadores um herói. Calabar mudou o curso da guerra ao ficar do lado dos holandeses.

Japaratinga – Nesse vilarejo de pescadores são imperdíveis as paisagens que se descortinam desde o Pontal do Boqueirão, na foz do Rio Manguaba, passando pela Praia de Barreiras do Boqueirão, com suas fontes de água mineral.

Maragogi – É o segundo pólo turístico de Alagoas. Equidistante de Maceió e Recife (PE), é um dos extremos geográficos desse circuito que merece um capítulo à parte.

Delmiro Gouveia – A força das cachoeiras e corredeiras do Rio São Francisco foram usadas para a instalação de 9 hidrelétricas entre Piranhas (AL) e Paulo Afonso (BA). Entre elas, a Angiquinho, a primeira usina hidrelétrica do Nordeste, construída em 1912 pelo empresário Delmiro Correia, que batiza o município que dista 40 km de Piranhas. Obra de engenhosa engenharia, a casa das máquinas da antiga hidrelétrica fica presa entre as rochas a 100 m do leito do rio. 

– Divina Gula: reserve um dia (ou uma noite) de sua agenda para conhecer essa casa de Maceió, cujo gerente é o simpático gaúcho José Cleber Rodrigues. Ponto de encontro de gente bonita, o bar e restaurante há mais de 20 anos oferece petiscos e pratos imperdíveis, feitos a partir da união de temperos mineiros e iguarias alagoanas. Entre as delícias para beliscar tomando uma cervejinha ou a cachaça ali produzida estão as porções de bolinhos de macaxeira e caipira (ambas são de macaxeira, mas a primeira é recheada com camarão e catupiry e a segunda, com carne de sol desfiada e queijo coalho). Também oferece opções de refeições. Fica na Av. Engenheiro Paulo B. Nogueira, 85, Jatiúca, tel. 3235-1016.

Engenhos – E usinas canavieiras não faltam nesse Estado, um dos principais polos produtores de açúcar e álcool do País. Eles são tão importantes para a história e economia do Estado que a Secretaria de Turismo criou um circuito turístico para contemplá-los: o Roteiro Integrado da Civilização do Açúcar, que inclui as cidades de Maceió, Marechal Deodoro, Pilar, Coruripe, União dos Palmares e Rio Largo.

Foz do Rio São Francisco – O passeio de barco até a divisa entre Sergipe e Alagoas é fantástico e dá direito a uma paisagem que inclui as ilhas fluviais do caminho, as dunas amareladas, os coqueirais e – o principal – a foz do Rio São Francisco, o lugar onde o Velho Chico se une ao Oceano Atlântico, depois de ter percorrido cinco Estados brasileiros – Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas. Os passeios de barcos partem de Piaçabuçu (140 km de Maceió pela AL-101, sentido Sergipe).

Galés de Maragogi – Distante 6 km da praia central da cidade, as galés de Maragogi – nome dado às piscinas rasas em alto mar – integram a Costa dos Corais, situando-se no centro desse ecossistema. O passeio às galés permite conhecer de perto os recifes de corais. Contudo, as leis de preservação restringem o número de pessoas e embarcações que podem visitar o lugar, só permitindo a visitação de dez catamarãs com 60 pessoas cada por dia. Nas piscinas de água rasa, também é proibido usar nadadeiras. Nas mais profundas, pode-se mergulhar com cilindro acompanhado por um guia, vendo peixinhos coloridos, anêmonas e corais-cérebro.

História – Se a opção é conhecer a colonização de Alagoas, não deixe de visitar as cidades de Marechal Deodoro, Penedo e Piranhas, as duas últimas localizadas às margens do Rio São Francisco. Com igrejas, conventos e palacetes dos séculos 17 e 18, Penedo é uma das mais antigas históricas brasileiras. Conhecida como Ouro Preto do Nordeste, foi fundada pelos bandeirantes no século 16. Já Piranhas fica na divisa entre Alagoas e Sergipe e é a porta de embarque para a Rota do Cangaço, um roteiro que privilegia aqueles que querem aprender um pouco mais sobre os cangaceiros que aterrorizaram as populações no início do século 19. Dali parte o catamarã rumo à Grota do Anjico, local da emboscada onde Lampião e seu bando foram assassinados no dia 28 de julho de 1938. Em Maceió, o endereço obrigatório é o bairro de Jaraguá, que exibe casarões coloniais e antigos armazéns espalhados pelas ruas próximas aos cais do porto. Construídos no início do século 19 e tombados pelo Iphan, muitos desses trapiches já foram recuperados e agora sediam antiquários, casas noturnas e outros setores do comércio.

Ilha de Santa Rita – A maior ilha lacustre do país, com mais de 12 km2 de superfície, faz parte do passeio de escuna à Lagoa de Mundaú. Área de preservação ambiental, é formada pelos povoados de Santa Rita, Siriba, Jacaré e Barra Nova.

Jangada – De Pajuçara, na região central de Maceió, quando a maré está baixa, jangadas partem para as piscinas naturais que se formam a cerca de 2 km da costa.

Kilo – Há muitos restaurantes que servem comida por kilo em Maceió. A Sueca (Av. Dr. Antonio Gouveia, 1.103, Pajuçara, tel. 3327-0359) oferece pratos à base de frutos do mar, peixes, aves e carnes fresquinhos, além de um enorme bufê de saladas e sobremesas.

Lagoas – Ao todo Alagoas possui 17 lagoas, sendo que as maiores são Mundaú e Manguaba. Juntas, elas formam um dos maiores complexos lagunares do mundo.

Maceió Convention & Visitors Bureau – Integrada por empresários, a entidade vem desenvolvendo um importante trabalho de divulgação de Alagoas, com a criação de novos roteiros turísticos para o Estado, o aperfeiçoamento dos serviços prestados por agências, hotéis, bares e restaurantes e a capacitação da mão de obra que esses setores empregam. Ao lado de órgãos públicos e instituições privadas, participa do planejamento do calendário de eventos do estado. Rua Profª Edith Brandão Nogueira, 95-A, Jatiúca, Maceió, tel. 2121-6601.

– Marechal Deodoro: Tombado como Patrimônio Histórico Nacional em 2006, o município ao sul de Maceió abriga a casa do proclamador da república brasileira e tem atrações que remetem à colonização de Portugal, como o Museu de Arte Sacra Dom Ranulpho da Silva Farias, com o Convento de São Francisco, ambos do século 16. Ao lado de seu centro histórico com construções do início do século 19, as rendeiras e os seus bordados em filé, labirinto, redendê e bilro são o algo a mais da cidade.

– Maria Antonieta: neste restaurante o forte é a cozinha italiana. Com ambiente intimista, suas massas e risotos são imperdíveis. Fica na Av. Dr. Antonio Gomes de Barros, 150, Jatiúca, Maceió, tels. 3202-8828 e 2122-1950.

Nossa Senhora dos Prazeres – É a padroeira de Maceió. A matriz de mesmo nome fica no centro da capital, na Rua Barão de Atalaia Pinto, s/nº.

Orla – Pelos 5,5 km da deslumbrante orla de Maceió aninham-se as praias da Avenida, do Sobral, do Pontal da Barra, Pajuçara, Ponta Verde, Jatiúca, Cruz das Almas, Jacarecica, Guaxuma, Garça Torta, Riacho Grande, Pratagi e Ipioca.

Praia do Francês – A 21 km ao sul de Maceió pela AL-101, atrai os surfistas com suas ondas de mais de 2 m. Para quem não surfa há passeios de barcos até os recifes de coral, onde se pode mergulhar nas piscinas naturais. Se a maré estiver baixa, é possível caminhar até a Praia do Saco. Também conhecida como Saco da Pedra, a praia está dentro de uma reserva ecológica que pertence à Ilha de Santa Rita.

Quilombo dos Palmares – Foi o maior de todos os quilombos brasileiros e ocupava uma área quase tão grande como Portugal. Localizava-se na Serra da Barriga, região que compreende os atuais os estados de Alagoas e Pernambuco. Quando foi fundado em 1597, Palmares tinha apenas uns 40 habitantes, mas cresceu tanto que chegou a ser integrado por dez quilombos menores. Como a fuga de escravos significava prejuízo financeiro para os senhores de engenho, eles organizavam expedições para capturar os negros. Foi numa delas que um menino nascido naquela comunidade quilombola foi capturado e entregue ao padre da vila de Porto Calvo (AL). Quinze anos depois, o garoto voltou a Palmares, onde se tornou o líder mais importante: Zumbi. Em 1692, o quilombo foi atacado, mas o exército fracassou. Na segunda tentativa, em 1694, Palmares foi destruído. Mesmo ferido, Zumbi fugiu e continuou organizando ataques aos engenhos para roubar armamentos e libertar escravos. Foi traído por Antônio Soares, um de seus homens, que revelou o seu esconderijo após ter tido torturado. Zumbi foi assassinado no dia 20 de novembro de 1695. Sua cabeça foi cortada e levada para o Recife (PE), onde as autoridades ordenaram que ficasse exposta em praça pública, com o intuito de desencorajar a fuga dos escravos e de acabar com a crença popular de que Zumbi era “imortal”. De nada adiantou, pois ele tornou-se um mito.

Rendeiras – São famosas em todo o Estado pelos caminhos e toalhas de mesa, panos de bandeja, colchas, saídas de praia, chapéus, blusas, vestidos e outras peças que confeccionam em filé,  labirinto, bilro e redendê. O primeiro foi criado há muito tempo pelas mulheres de pescadores, que consertavam suas redes. Em Maceió, essas peças são encontradas no Pontal da Barra, onde o filé nasceu, conforme contam as rendeiras do bairro, e na Feirinha de Artesanato da Pajuçara.

Sururu – Extraído das lagoas, o marisco é um dos principais ingredientes da gastronomia regional.

Taboua – É uma planta que cresce em abundância em locais úmidos, como brejos, manguezais e várzeas. No município de Feliz, há uma grande variedade de peças são produzidas a partir da palha da taboua. São bolsas, utensílios domésticos e objetos para decoração. Ali também podem ser encontrados artesanatos feitos com bagaço da cana-de-açúcar.

– Transamérica: é uma das várias agências de Maceió que oferece passeios turísticos pelo Estado (tel. 2121-7373). Se contratar seus serviços, peça para ser acompanhado por Gegê (tels. 8854-3723 e 9977-4156, e-mail: Gertrudesbrito@hotmail.com). Com quase 2 m de altura, essa carioca conhece Alagoas como ninguém. Internacional, fala alemão e espanhol, além de organizar roteiros personalizados. Mas atenção: para contratar a guia é preciso contatá-la com 10 dias de antecedência, pois ela presta serviço para várias agências. Sua diária custa R$ 100 e não inclui as despesas do passeio (ingressos e taxas de embarcações, por exemplo). 

União dos Palmares – O município localizado na Serra da Barriga abriga o Parque Memorial Quilombo dos Palmares (www.quilombodospalmares.org.br). Aberto à visitação pública e com entrada gratuita, reúne os vestígios arqueológicos do quilombo que foi o maior foco de resistência negra à escravidão no Brasil por quase 100 anos, entre 1597 e 1694.

– Urban Resort Ritz Lagoa da Anta – Se o seu negócio é luxo e atendimento de primeira, essa é a opção para se hospedar em Maceió. Cada um de seus seis pisos segue uma decoração inspirada em um tema diferente. Os quartos do Bali Floor, por exemplo, resgatam as belezas das ilhas indonésias e são destinados a casais em lua de mel. Já os do Design Floor são projetados para executivos e conciliam sofisticação e praticidade a um moderno designer. Com 196 quartos, o resort disponibiliza aos seus hóspedes bares, brasserie, restaurante e bistrô, piscinas, spa, fitness, saunas, mini golfe, quadra de vôlei e centro de convenções, entre outras comodidades. Fica na Av. Brig. Eduardo Gomes, 546, Praia de Cruz das Almas, tel. 2121-4000, www.ritzlagoadaanta.com.br

Vida noturna – O bairro de Stella Maris e a orla de Ponta Verde concentram as principais baladas de Maceió.

Xote – Trote e forró são alguns dos ritmos que eletrizam as danceterias, as boates e os barzinhos de Maceió, que oferecem opções para todos os gostos, de MPB ao eletrônico, passando pelo pagode e o sertanejo.

Zumbi dos Palmares – A palavra zumbi ou zambi vem termo nzumbe, do idioma africano quimbundo, significa alma de pessoa falecida. Para os bantos, uma tribo africana, a palavra é sinônimo de líder religioso e militar. No Brasil, em função da crença popular afro-brasileira, zumbi é um morto-vivo, um fantasma que vagueia a esmo. Etmologias à parte, Zumbi foi o mais importante líder do Quilombo de Palmares. Traído, foi assassinado em uma emboscada. Na data de sua morte, 20 de novembro, hoje se comemora o Dia da Consciência Negra.

Advertisements

~ por Fabíola Musarra em Março 5, 2011.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: