TRANSTORNO BIPOLAR DE HUMOR

QUANDO A EUFORIA É DOENÇA

Por Fabíola Musarra

Conhecido até recentemente como psicose maniaco-depressiva, o transtorno bipolar de humor é um inferno emocional para os pacientes e ainda hoje um enorme desafio para os psiquiatras e psicoterapeutas

Não se sabe exatamente o que causa o transtorno bipolar de humor (TBH), mas as estatísticas revelam que atualmente ocorrem mais mortes devido a distúrbios de humor não tratados do que de homicídios, doenças crônicas de fígado, Alzheimer, arteriosclerose ou hipertensão. Se até pouco tempo atrás havia relutância em admitir que crianças pudessem sofrer desse mal, hoje a medicina constata que um em cada três casos de transtorno bipolar de humor se manifesta ainda na infância.

Apesar disso, identificá-lo nessa etapa da vida é tarefa ainda mais complexa. Na maioria dos adultos, as manifestações clínicas são clássicas – o humor oscila de um extremo ao outro, da alegria incontrolável e do raciocínio veloz à depressão e à apatia. No caso das crianças, essas oscilações ocorrem bem mais rápido, às vezes no mesmo dia, e a doença também se apresenta por meio de uma conjunção de sintomas menos específicos, como impulsividade, irritabilidade, dispersão, agitação e acessos de raiva. Acredita-se que o TBH, também conhecido como psicose maniaco-depressiva, é provocado por um mau funcionamento do cérebro, mais especificamente por um desequilíbrio químico cerebral nos chamados neurotransmissores.

Embora possa ser tratada, a doença continua sendo um verdadeiro enigma para a medicina, pois sua causa direta ainda é desconhecida – sabe-se apenas que a química corporal pode ocasionar um episódio depressivo ou maníaco devido à presença de outras doenças, a alterações de hábitos saudáveis, ao abuso de drogas ou a modificações hormonais. Pesquisas têm mostrado que o TBH pode ser hereditário e que experiências de vida estressantes podem disparar alguns sintomas. Contudo, não há evidências de que experiências estressantes ou eventos traumáticos na infância sejam a causa dessa doença.

Pós-doutoranda com bolsa e auxilio-pesquisa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para o Programa de Transtorno Bipolar, a psiquiatra Sheila Cavalcante Caetano acaba de ser premiada pelo L’Oréal/Unesco para Mulheres na Ciência. Sua pesquisa, desenvolvida no ambulatório do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), estuda casos de crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos com transtorno bipolar de humor. “Cinquenta por cento dos transtornos começam nessa fase da vida. O tipo mais grave atinge 1% da população”, afirma a cientista. A seguir, ela explica o que é o distúrbio.

 POR QUE SE INTERESSOU PELO TRANSTORNO BIPOLAR? QUANDO COMEÇOU A ESTUDAR O TEMA?

Durante meus plantões no pronto-socorro, uma paciente chamou minha atenção, pois estava em euforia. A mulher cantava, dançava e estava tão agitada que caía. Ela falava tão rapidamente que era muito difícil entendê-la. Foi quando eu quis compreender melhor que doença era aquela na qual a alegria se tornava doença.

O QUE É O TRANSTORNO BIPOLAR? ATUALMENTE, QUANTAS PESSOAS SOFREM DESSE DISTÚRBIO? ELE AFETA MAIS UMA DETERMINADA FAIXA ETÁRIA OU NÃO?

O transtorno bipolar é a presença de mudança de humor normal para depressão (tristeza patológica) e para euforia (alegria patológica). No Brasil, o transtorno bipolar atinge de 1% a 3% da população. O início da doença ocorre geralmente no final da adolescência e acomete igualmente homens e mulheres.

POR QUE ELE OCORRE? É HEREDITÁRIO? QUAIS SÃO AS CAUSAS DA DOENÇA?

Ainda não sabemos a causa dessa doença. Parece ser multifatorial, com carga genética importante (mas que não é determinante – o familiar tem apenas uma chance maior de ter a doença), mas geralmente tem seu surgimento e evolução influenciados por fatores ambientais, principalmente por uso de drogas como anfetamínas.

 QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA DOENÇA?

Nas situações de depressão, muita tristeza, desânimo, cansaço e vazio. A pessoa também pode ficar muito irritada, dormir bastante ou muito pouco. Seu apetite pode aumentar ou diminuir e ela pode não conseguir se concentrar e ser pessimista. Nos casos muito graves, terá ideias de morte e suicídio.

Em euforia, a pessoa se sente extremamente alegre, muitas vezes irritada, fala sem parar e muito rapidamente, com mil ideias na cabeça. Não sente sono e fica agitada. Tem muita energia, sente-se muito poderosa, grandiosa e gasta muito dinheiro. Torna-se impulsiva e hipersexualizada.

COMO IDENTIFICAR UMA CRIANÇA OU ADOLESCENTE COM ESSE TIPO DE DISTÚRBIO, QUE COMPORTAMENTOS APRESENTA?

É uma criança com muitas mudanças de humor, com comportamentos impulsivos e rompantes de raiva. Tem momentos em que fica muito parada, triste, chorosa, em depressão. Esses momentos são alternados por períodos de euforia, quando fala muito, não para quieta e faz brincadeiras mais arriscadas, impulsivas.

A família ocupa papel de extrema importância no diagnóstico de transtorno bipolar de humor, porque, geralmente, é ela que, ao observar os padrões de comportamento da criança ou do adolescente, detecta que algo não vai bem.

 COMO É DIAGNOSTICADO O TRANSTORNO?

O diagnóstico é exclusivamente clínico, feito através de avaliação psiquiátrica. Porém, os estudos científicos recentes têm apresentado dados relevantes e inéditos. Na prática, pouco ainda se conhece, com profundidade, sobre todos os aspectos da doença.

 SENDO O TBH UMA DOENÇA EMOCIONAL, NÃO SE TORNA DIFÍCIL PARA UM PSIQUIATRA IDENTIFICAR UMA CRIANÇA OU UM ADOLESCENTE PORTADOR DESSE MAL, ESPECIALMENTE ESTES ÚLTIMOS, SEMPRE TÃO SUJEITOS A “TEMPESTADES AFETIVAS”? O ESPECIALISTA PODE CONFUNDIR OS SINTOMAS DA CRIANÇA OU DO ADOLESCENTE COM OUTRAS DOENÇAS, COMO A DEPRESSÃO?

No TBH a criança pode apresentar depressão. A grande diferença é que apenas no TBH se tem euforia. A avaliação clínica deve ser feita por um psiquiatra treinado em função da dificuldade em se distinguir uma birra normal de um ataque de raiva, mas o diagnóstico é feito pelo conjunto de sintomas relatados pela criança, pela família e pela escola. Também é fundamental que esses sintomas causem prejuízos em vários ambientes, como casa, escola, parques, ginásios de esportes…

 COMO ESSE TRANSTORNO PODE SER TRATADO? ELE TEM CURA?

Para evitar novos episódios de depressão e euforia, o primeiro passo é tratar o doente com medicação para estabilizar o humor. Psicoterapia, principalmente familiar, para crianças e adolescentes, ajuda a lidar melhor com a doença e com o estresse.

 O PACIENTE PODE EVENTUALMENTE TER RECAÍDA?

Um estudo publicado no New England Journal of Medicine, com mais de dois mil pacientes bipolares, submetidos, seguramente, aos melhores tratamentos possíveis por cerca de dois anos, demonstrou que 40% dos pacientes tiveram recidiva da doença em um ano – apesar de receberem o melhor tratamento. Cerca de 90% das recaídas são depressão e estado misto (sintomas depressivos e maníacos praticamente simultâneos).

 COMO AS PESSOAS QUE CONVIVEM COM UMA CRIANÇA OU JOVEM COM ESSE TIPO DE DISTÚRBIO PODEM AJUDÁ-LO?

A melhor maneira de ajudar é aprender mais sobre a doença e participar do tratamento com o familiar. A participação efetiva, solidária e afetiva de todos os familiares é fundamental no processo de recuperação e de reabilitação psicossocial do paciente. A Abrata (www.abrata.org.br) é uma organização para pacientes, familiares e amigos trocarem informações e experiências sobre o transtorno bipolar de humor.

QUAL(IS) FOI(RAM) A(S) RAZÃO(ÕES) DE TER OPTADO POR ESSA PESQUISA? HÁ QUANTO TEMPO ELA VEM SENDO REALIZADA?

O transtorno bipolar é uma doença que interfere muito na qualidade de vida das crianças e de suas famílias. O mais grave é que é a doença mais associada ao suicídio. Há também uma maior chance de uso de drogas e problemas na escola e com a família. Nossa pesquisa tenta entender essa doença e suas causas. Há dois anos conduzimos pesquisa sobre transtorno bipolar na infância e na adolescência, o TBIA.

 

SUA PESQUISA VEM SENDO DESENVOLVIDA NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS. SÃO EXIGIDOS PRÉ-REQUISITOS PARA PARTICIPAR DE SEU ESTUDO? OU SÃO ACEITOS JOVENS E CRIANÇAS ALEATORIAMENTE?

Sim, é feita no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). O telefone do nosso serviço – o Programa de Transtorno Bipolar (Proman) – é (11) 3069-7928. Inicialmente, fazemos uma triagem por telefone e depois fazemos uma avaliação clínica. Se a criança tiver transtorno bipolar, oferecemos participação em pesquisa e tratamento.

QUAIS SÃO AS MAIORES DIFICULDADES NESTE TIPO DE TRABALHO? E AS RECOMPENSAS? POR QUÊ?

A grande dificuldade é a gravidade da doença, o risco de suicídio. A ideia de que um adolescente possa se suicidar é assustadora! Porém, a melhora do adolescente com o tratamento com é muito recompensadora. Também é extremamente gratificante ver uma criança que tentou o suicídio ficar bem depois do tratamento, voltar a sorrir, a tirar boas notas na escola e a brincar com amigos.

O QUE SENTIU AO SER PREMIADA PELA LORÉAL/UNESCO? FALE UM POUCO A RESPEITO.

Como o prêmio foi selecionado por pesquisadores brasileiros da Academia Brasileira de Ciências, tem um importante mérito científico. A maioria dos prêmios científicos é divulgada apenas para a academia, mas esse prêmio está sendo divulgado na sociedade em geral, a fim de que as pessoas conheçam melhor como e o que se tem pesquisado.

Especificamente para mim, é uma grande oportunidade de informar mais sobre uma doença grave, como é o transtorno bipolar, que ainda é coberta de preconceitos por ser uma doença psiquiátrica.

QUAIS SÃO OS SEUS PLANOS FUTUROS?

Continuar fazendo pesquisas para compreender as causas e como se desenvolve a doença e também fazer mais estudos sobre o tratamento. Um importante aspecto é que a maioria das pesquisas nessa área foi feita nos Estados Unidos e ainda não sabemos se as questões relativas ao perfil sociocultural (a estrutura de família, os eventos estressores e os tratamentos disponíveis) terão as mesmas respostas aqui no Brasil. Por exemplo, pesquisas realizadas nos Estados Unidos mostram que a família que tem uma criança com transtorno bipolar é mais desorganizada e tem menos tempo de lazer, mas não sabemos se o mesmo ocorre nas famílias brasileiras, cujos valores são diferentes dos das norte-americanas.

SERVIÇO

Programa de Transtorno Bipolar (Proman) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), tel. (11) 3069-7928.

Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (Abrata) – Av. Paulista, 2.644, andar, conjuntos 71 e 72, tel. (11) 3256-4831, de segunda a sexta-feira. das 13h30 às 17 horas, site: www.abrata.org.br

 

Puplicada em dezembro de 2009

~ por Fabíola Musarra em Maio 11, 2010.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: