Doze Apocalipses, segundo o cinema e a ciência

Mudanças climáticas imprevistas, queda de asteróide, vírus mortais, invasão de ETs. Coletamos para nossos leitores alguns dos vários cenários de fim do mundo segundo a imaginação dos cineastas. Tem de tudo e um pouco mais

Por Fabíola Musarra – publicado em julho de 2009

 

INDEPENDENCE DAY
Chegamos ao obscuro Sol. Você espera que em nossa chegada lá já desembarquemos anunciando “Viemos em paz”. Em Independence day, tudo começa com um misterioso ruído vindo do cosmos. Antes, porém, que se possa fazer algo, a nave-mãe espacial obscurece o céu da cidade. E os seus passageiros? Não há nem tempo de vê-los. O pânico se instala na multidão, as pessoas são engolidas e arrastadas para dentro da nave. Que pecado! Os alienígenas teriam gostado de nos conhecer.

A REALIDADE DA FANTASIA
Estamos sós no Universo? Só saberemos talvez daqui a 50 mil anos. Em 1974, os cientistas transmitiram uma mensagem em código binário (na linguagem do computador) na direção do aglomerado estelar M13, a cerca de 25 mil anos-luz da Terra, descrevendo de modo resumido as principais características da vida em nosso planeta. A mensagem foi transmitida do radiotelescópio de Arecibo (Porto Rico) e viaja na velocidade da luz. Por esse motivo, uma eventual resposta poderá demorar um pouco para chegar. Nesse meio tempo, quem desejar se comunicar com um ET de outro modo pode enviar uma carta pela caixa postal para alienígenas na Área 51, em Nevada (a zona militar onde estariam guardados os restos de extraterrestres que caíram com seu disco voador em Roswell, no Novo México, em 1947). Ao que tudo indica, outros seres também querem contatar os terráqueos. E, nesse caso, precisamos estar preparados para conhecê-los…

PREOCUPADOS?
No filme ET – O extraterrestre, o alienígena telefona para casa. Você também acredita que os alienígenas seriam uma ameaça para a humanidade? E por quê? Quando os europeus vieram para o Novo Mundo, trouxeram para cá a civilidade…

NA FICÇÃO
Independence day
(Independence day), Roland Emmerich, 1996.
Enigma do espaço
(The astronaut’s wife), Rand Ravich, 1999.
Marte ataca!
(Mars attacks!), Tim Burton, EUA, 1996.

MAD MAX – A CAÇADA CONTINUA
Amanhã você também se transfere para fora da cidade. É o último, pois não queria se resignar. Mas aqui não pode mais ficar. Nada mais de comida, luz, água. Está completamente isolado e só pode andar a pé: funciona assim o último cartel dos países extratores. Petróleo e gasolina são um luxo que poucas nações se podem permitir. Não a sua: aqui as prioridades são outras. Por um litro do combustível se paga com a vida.

A REALIDADE DA FANTASIA
As reservas de petróleo vão acabar. Quando? É difícil saber com certeza, visto que quem faz esse cálculo está diretamente envolvido na atividade de extração e não tem interesse algum em divulgar a informação. Porém, existem pesquisadores que previram a evolução natural, o declínio e o término da produção de petróleo, como Marion King Hubbert, um geofísico norte-americano. Nos anos 50, ele criou um gráfico mostrando hipoteticamente que, quer em apenas um poço de petróleo, quer no planeta inteiro, a taxa de produção tende a seguir uma curva normal. No início da curva (pré-pico), a produção aumenta com o acréscimo de infraestrutura produtiva.

Já o pico dessa curva – designado o pico de Hubbert – é o ponto máximo da produção. Na fase posterior (pós-pico), a produção diminui devido ao esgotamento gradual do recurso. Com seu modelo, o geofísico explicou as razões para muitas crises petrolíferas passadas e também previu o futuro. Muitos que o acusavam se viram obrigados a acreditar em sua teoria, mas vale notar que a curva ideal se verifica somente em condições de livre mercado. Monopólios e cartéis (como a Opep), as guerras e catástrofes naturais podem determinar um “falso” pico. Também existem outros fatores que podem contribuir para desencadear uma crise, como a instabilidade geopolítica e o aumento do preço do petróleo.

O pico não é necessariamente o fim do mundo, apenas indica a necessidade de se pesquisar o uso de novas fontes alternativas para substituir os combustíveis tradicionais.

NA FICÇÃO
Mad Max – A caçada continua
(Mad Max 2 – The road warrior), George Miller, Austrália, 1981.

NO MUNDO DE 2020
Depois de inúteis e tardias tentativas de controle demográfico, passamos da medida: a Terra mais se parece a um formigueiro. A poluição criou uma camada de ar irrespirável que condena o planeta a um eterno e tórrido verão. O verde e a natureza são pálidas recordações. Não chove há anos. Comida e água são um luxo para poucos privilegiados. A luta pela sobrevivência começa dentro da própria casa: faltam gás e eletricidade e as pessoas se atropelam em busca de um lugar para dormir.

E dormem sempre com um olho aberto. Aqui, vigora uma estranha legislação alimentar… Baseada no romance de Harry Harrison, a história desse filme que se passa no ano de 2020 mostra um policial que é encarregado de investigar a morte de um magnata produtor do “biscoito de soja” – na realidade, um alucinógeno consumido por uma população oprimida, que vive uma vida sem esperança.

A REALIDADE DA FANTASIA
Não será em 2020, mas a estimativa é que em 2030 a população urbana represente quase dois terços da população mundial. Essa informação não faz parte de um romance futurístico, mas foi extraída do relatório World Water Development Report, da Unesco, publicado há pouco mais de dois anos. Segundo o documento, a progressiva expansão das cidades provocará um aumento vertiginoso da demanda de água e da procura de alimentos em áreas metropolitanas. Com base nesse cenário, cientistas da Cornell University (EUA) defendem a tese de que a economia agrícola mundial entrará em colapso por volta de 2050. Por conta da poluição, das mudanças climáticas e do crescente desmatamento, o mundo ingressará numa “nova era” marcada por inúmeros transtornos e discórdias.

Os pesquisadores assinalam ainda que, a cada dia, mais abelhas morrem pelo uso maciço de pesticidas. Num futuro nem tão distante, a dizimação das abelhas ameaçará de extinção muitas outras espécies. Nenhuma abelha, nenhuma flor, nenhuma comida.

PREOCUPADOS?
No mundo todo, cerca de 30 mil pessoas morrem por dia pela falta de água e de comida. O apocalipse começou?

NA FICÇÃO
No mundo de 2020
(Soylent green), Richard Fleischer, EUA, 1973.

O NÚCLEO – MISSÃO AO CENTRO DA TERRA
Mais de 30 pessoas portadoras de aparelhos cardía cos morrem subitamente e ao mesmo tempo. As aves estão desorientadas. Nos Estados Unidos, a Golden Gate desaba. Também as ruínas do Coliseu, na Itália, viram pó. A aurora boreal pode ser vista em lugares inesperados. Mas o que está acontecendo? Por algum motivo, a Terra parou de realizar o movimento de rotação. Assim, esplendor e miséria se revezam no campo magnético terrestre causados pelo verdadeiro protagonista desse filme: o núcleo da Terra, que deixou de girar.

A REALIDADE DA FANTASIA
É óbvio que não podemos viajar ao centro da Terra, como fazem os personagens desse filme. Apesar disso, os pesquisadores procuram explorar as diferentes camadas da crosta terrestre, na tentativa de aprender algo mais sobre a natureza do nosso planeta. Como é esse aprendizado? Em seus experimentos, fazem uma série de perfurações nos lugares considerados “mais quentes” do ponto de vista sísmico. Desde 2005, por exemplo, uma equipe de cientistas japoneses do Centro de Exploração das Profundidades da Terra (CDEX) escava o leito do Oceano Pacífico, onde pretende explorar as entranhas da Terra a uma profundidade jamais alcançada: 7 quilômetros abaixo do nível do mar.

A experiência está sendo feita a partir do navio de exploração dos fundos marinhos Chikyu e tem como objetivo coletar informações sobre as condições climáticas do planeta há milhões de anos e descobrir sinais de vida subterrânea, além de estudar o movimento das placas tectônicas e prever a ocorrência de sismos. O Chikyu está equipado para prevenir acidentes no momento em que a sonda bater em rocha derretida a altas temperaturas. O perfurador vai assentar a 4 mil metros de profundidade e continuar a furar até 7 mil metros. “Até agora, só arranhamos a superfície”, diz Jun Fukutomi, do CDEX.

Atualmente, também se escava ao longo da parte californiana da falha de San Andreas, uma faixa de quase 1.300 quilômetros. Nesse caso, o trabalho da equipe de cientistas que ali se encontra é para poder prever os próximos terremotos, em particular, o maior de todos, o Big One.

PREOCUPADOS?
De todas as outras histórias de ficção científica, a desse filme é a mais inverossímil.

NA FICÇÃO
O núcleo – Missão ao centro da Terra

(The core), Jon Amiel, EUA, 2003.

O MENSAGEIRO
Nem sempre foi assim. Os raios de sol aqueciam o ar. As pessoas iam veranear à beira-mar. Até que alguém pensou em usar seu arsenal nuclear. E agora? É como se imaginava que teria sido, ou muito pior. Nesse cenário futurístico pós-apocalíptico, os Estados Unidos estão devastados, as comunidades isoladas e os protagonistas do filme têm de lutar pela sua sobrevivência, mas um homem comum não está de acordo… Ele é o mensageiro, um andarilho que leva ao povo a mensagem de um governo central restaurado. Baseado no livro de mesmo nome do escritor de ficção científica, o premiado norte-americano David Bin, O mensageiro é um filme de 1997, dirigido e estrelado pelo ator Kevin Costner.

A REALIDADE DA FANTASIA
A que horas será o fim do mundo? Para tentar responder a essa questão, em 1947, um grupo de físicos da Universidade de Chicago (EUA) imaginou um relógio simbólico, o Doomsday Clock (o Relógio do Apocalipse), que mediria quão perto da autodestruição estaria a humanidade. Quanto mais perto da meia-noite ele marcasse, mais próximo estaria o fim do mundo e de nossa espécie.

O relógio é ajustado periodicamente e os parâmetros usados são o nível de ameaças nucleares (guerras atômicas), ambientais e tecnológicas, sendo que os seus ponteiros são ou não adiantados, conforme a tensão da política internacional.

Quando o relógio foi idealizado, em plena Guerra Fria, se dizia que faltavam 7 minutos para a meia-noite.O último reajuste do relógio foi feito no dia 17 de janeiro de 2007, às 14h30. A hora passou de 23h53 (ajustada em 2002) para as 23h55, diminuindo em dois minutos o prazo para o mundo acabar: agora faltam apenas 5 minutos para a meia-noite. Para saber mais sobre o Doomsday Clock (o relógio virtual do apocalipse): http:// www.thebulletin.org/minutes-to-midnight/timeline. html (em inglês).

PREOCUPADOS?
Com o fim da Guerra Fria e os posteriores acordos de desarmamento nuclear, a máxima distância da meia-noite (portanto, o momento mais “tranquilo” desde que o relógio foi criado) foi alcançada em 1991: 17 minutos!

NA FICÇÃO
O mensageiro
(The postman), Kevin Costner, EUA, 1997.
Planeta dos macacos (Planet of the apes),
Franklin J. Schaffner, EUA, 1968.
Dr. Fantástico (Dr. Stangelove),
Stanley Kubrick, Reino Unido, 1963.
O dia seguinte (The day after),
Nicholas Meyer, EUA, 1983.

FIM DOS TEMPOS
Com estreia prevista para este mês, esse suspense de M. Night Shyamalan, o diretor de O sexto sentido e Sinais, conta a história de um evento que ninguém consegue deter e que ameaça a vida da população mundial ao atacar seu instinto mais básico: a sobrevivência. Elliot Moore (Mark Wahlberg) é um professor de ciências que um dia discute com seus alunos o conteúdo de um artigo do New York Times.

Ele trata do súbito e misterioso desaparecimento de abelhas. Mais uma vez a natureza está fazendo algo inexplicável, e tudo o que a ciência pode dizer a respeito é apenas pura teoria. Um novo dilema urgente aparece no planeta. Ele surge no Central Park, em Nova York, nos Estados Unidos, onde, de repente e sem nenhuma explicação, o comportamento das pessoas muda de forma bizarra e horrível. Logo, o estranho comportamento se espalha por toda a cidade e arredores. Elliot, sua esposa, Alma (Zooey Deschanel), e Jess (Ashlyn Sanches), a jovem filha de um amigo, contarão apenas com teorias para guiá-los na fuga a algum lugar seguro.

A REALIDADE DA FANTASIA
Diferentemente da maioria dos filmes de catástrofe final, que lançam mão de argumentos científicos objetivos, Fim dos tempos, de Shyamalan, prefere enveredar pelo território sinuoso da metáfora filosófica. No filme – como na nossa vida -, a natureza de repente produz coisas inexplicáveis, e tudo que a ciência racional consegue fazer a respeito é criar teorias, tentando encontrar explicações. Em Nova York, no Central Park, as pessoas de repente começam a se suicidar: um dilema terrível aparece no planeta.

Os sobreviventes, em fuga, buscam desesperadamente algum abrigo seguro para escapar da força misteriosa que faz as pessoas sumirem. Nessa fuga, contarão apenas com teorias racionais. Mas – ainda uma vez, como na vida real – teorias científicas nem sempre são suficientes para nos salvar a pele.

NA FICÇÃO
Fim dos Tempos
(The Happening), EUA/Índia, M. Night Shyamalan,

A REALIDADE DA FANTASIA
Desde o momento que foi visto pela primeira vez, em 2004, os astrônomos não tiram seus olhos dele. Foi chamado de Apophis, o deus egípcio da destruição: é um asteroide com aproximadamente 350 metros de diâmetro que passará bem perto da Terra no dia 13 de abril de 2036, provavelmente. Se ele colidir com nosso planeta, provocará uma violenta explosão 110 mil vezes mais potente que a da bomba de Hiroshima.

Os cientistas se declararam otimistas e parecem não conferir mais peso às vozes apocalípticas que habitualmente gostam de anunciar o fim do mundo. Mas não abaixamos a guarda e, em fevereiro de 2006, a Planetary Society lançou um concurso internacional prometendo premiar quem encontrasse um caminho para desviar o assustador objeto espacial. Quem venceu o desafio foi um estudante da Escola de Engenharia da Universidade de Queensland, na Austrália, que propôs que Apophis fosse envolvido em uma espécie de fita refletora, aproveitando então o vento solar para modificar a sua trajetória.

PREOCUPADOS?
Se alguma coisa tem a mínima chance de dar errado, certamente isso acontecerá, afirma a primeira Lei de Murphy. Nada de pânico: com base em recentes descobertas do radiotelescópio, a possibilidade de que a colisão aconteça é muito baixa, uma para 45 mil. Baixíssima… Já a probabilidade de acertar os seis números da loto é de 1 para 600 milhões!

ARMAGEDDON
No começo, ninguém acreditava. Parecia uma daquelas tempestades de fim do milênio. Mas, depois que os cálculos da Nasa se revelaram exatos, foi uma sucessão de eventos: os projetos, as missões falidas e as medidas de emergência… Agora se consegue observar o asteroide: de longe parece ser uma estrela como todas as demais, mas em breve parecerá quase uma segunda Lua, muito próxima e muito quente. Depois…

A REALIDADE DA FANTASIA
Desde o momento que foi visto pela primeira vez, em 2004, os astrônomos não tiram seus olhos dele. Foi chamado de Apophis, o deus egípcio da destruição: é um asteroide com aproximadamente 350 metros de diâmetro que passará bem perto da Terra no dia 13 de abril de 2036, provavelmente. Se ele colidir com nosso planeta, provocará uma violenta explosão 110 mil vezes mais potente que a da bomba de Hiroshima.

Os cientistas se declararam otimistas e parecem não conferir mais peso às vozes apocalípticas que habitualmente gostam de anunciar o fim do mundo. Mas não abaixamos a guarda e, em fevereiro de 2006, a Planetary Society lançou um concurso internacional prometendo premiar quem encontrasse um caminho para desviar o assustador objeto espacial. Quem venceu o desafio foi um estudante da Escola de Engenharia da Universidade de Queensland, na Austrália, que propôs que Apophis fosse envolvido em uma espécie de fita refletora, aproveitando então o vento solar para modificar a sua trajetória.

PREOCUPADOS?
Se alguma coisa tem a mínima chance de dar errado, certamente isso acontecerá, afirma a primeira Lei de Murphy. Nada de pânico: com base em recentes descobertas do radiotelescópio, a possibilidade de que a colisão aconteça é muito baixa, uma para 45 mil. Baixíssima… Já a probabilidade de acertar os seis números da loto é de 1 para 600 milhões!

NA FICÇÃO
Armageddon
(Armageddon), Michael Bay, 1998.
Impacto profundo
(Deep impact), Mimi Leder, 1998.

O DIA DEPOIS DE AMANHÃ
Com um desequilíbrio da Corrente do Golfo, a Terra sofre alterações climáticas que modificam drasticamente a vida da humanidade. O planeta é atingido por um grande frio. Tempestades, furacões e ciclones são a ordem do dia. Com o norte se resfriando cada vez mais, milhões de sobreviventes rumam para o sul. Porém, um paleoclimatologista faz o caminho inverso.

A REALIDADE DA FANTASIA
Essas mudanças climáticas podem acontecer? Os cientistas acreditam que sim, mas não tão rapidamente nem do modo como foi retratado nesse filme. Quando foi lançado, em 2004, David King, conselheiro científico do governo britânico, classificou o filme como uma “produção de ação espetacular”, que despertava a atenção do mundo para a questão do aquecimento global, frisando ainda que os eventos nele retratados ocorriam em uma velocidade improvável ou mesmo impossível. “Se isso acontecer, vai levar décadas ou séculos”, disse.

King lembrou que a concentração global de dióxido de carbono na atmosfera em 2004, de 379 partes por milhão, era a maior dos últimos 420 mil anos, sendo “significativamente mais alta” do que em períodos quentes anteriores. Isso não significa que a circulação térmica, que eleva a temperatura de parte da Europa em 5ºC, cessaria por completo. Pelo menos não tão rapidamente.

Quanto à Corrente do Golfo, um dos preocupantes alarmes foi dado em maio de 2005, quando, durante uma exploração submarina realizada sob o gelo do Ártico, pesquisadores da Universidade de Cambridge (Inglaterra) descobriram que as colunas de água fria da Corrente do Golfo estão desaparecendo. Das sete existentes, restam duas. Para piorar, em 2007, o britânico Peter Wadhams, um dos mais conhecidos físicos do mundo, afirmou ter constatado os primeiros sinais de que a Corrente do Golfo está perdendo intensidade devido ao aquecimento global.

O efeito pode alterar substancialmente o regime de temperaturas no noroeste da Europa. Segundo Wadhams, observações feitas com submarinos da Marinha Real britânica mostraram que o “motor” da Corrente do Golfo está funcionando com um quarto de sua capacidade nos últimos anos.

A Corrente do Golfo é um grande fluxo de água quente que leva calor ao noroeste da Europa, principalmente às ilhas britânicas. Esse fluxo é impulsionado por uma mistura de água gelada que desce ao fundo do oceano, partindo da superfície no Ártico, com água quente vinda do sul. A mistura dessas águas provoca um enorme redemoinho que move a Corrente do Golfo, mas o problema é que as colunas de água fria descendente estão menos fortes por conta do menor acúmulo de gelo na superfície do Mar da Groenlândia. E isso desacelera o movimento circular das águas.

PREOCUPADOS?
Em uma nova era glacial, os únicos países ainda habitáveis serão aqueles do Terceiro Mundo. Imigração ao contrário… Como os europeus, norteamericanos e asiáticos serão recebidos?

NA FICÇÃO
O dia depois de amanhã
(The day after tomorrow), Roland Emmerich, EUA, 2004.

WATERWORLD – O SEGREDO DAS ÁGUAS
O derretimento das camadas polares transforma o planeta em um lugar sem terra sólida. Pisar em solo firme é apenas uma lembrança. Para alguns, talvez até mesmo uma lenda. A água toma conta de tudo. Os poucos sobreviventes vivem em barcos ou em ilhas artificiais, ficando à mercê de piratas. Tudo o que resta dos continentes é uma ilha tropical, uma paisagem de sonho perdida em qualquer parte do Hemisfério Norte ou do Hemisfério Sul.

A REALIDADE DA FANTASIA
No documentário Uma verdade inconveniente, o ex-vice-presidente dos Estados Unidos e Prêmio Nobel, Al Gore, alerta para o risco do derretimento das camadas de gelo da Antártida e da Groenlândia, antecipando que as águas dos oceanos subiriam cerca de seis metros, o que obrigaria 100 milhões de pessoas a abandonar as costas litorâneas. A solução? A aplicação integral do Protocolo de Kyoto e de outras drásticas (e severas) medidas para a indústria e para o nosso estilo atual de vida. A maioria dos cientistas concorda com o alarmante diagnóstico sobre o estado de saúde do planeta, embora muita gente não compartilhe das profecias do documentário nem das soluções por ele apontadas.

No extremo oposto em relação às posições de Al Gore, está o professor dinamarquês Bjorn Lomborg, para quem os danos causados pela emissão de CO2 e pelo aquecimento global não são os problemas mundiais mais importantes. Lomborg sustenta que a demasiada “pressão política” sobre a questão Kyoto impede os países de se ocuparem com problemas mais urgentes,
como a malária, a Aids, a necessidade de água. Em outras palavras, entre apocalípticos e céticos, o debate no interior da comunidade científica é quente. Para complicar ainda mais, os modelos estatísticos exigem que peritos “decifrem” suas previsões. Cada um deles, porém, emprega um conjunto de diferentes parâmetros, encontrando, portanto, resultados discordantes. Mesmo a instituição com maior autoridade nessa área, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), propõe diversos cenários divergentes a propósito do aquecimento global e de suas consequências, tudo perfeitamente justificado pelo rigor da fórmula estatística.

PREOCUPADOS?
Enquanto se aguarda o cenário catastrófico mais provável (aquele que se realizará…), parece que já é possível circunavegar o Pólo Norte. As companhias de navegação comemoram. Por enquanto.

NA FICÇÃO
Waterworld – O segredo das águas
(Waterworld), Kevin Reynolds, EUA, 1995.
Uma verdade inconveniente
(An inconvenient truth), Davis Guggenheim, EUA, 2006.

MATRIX
Se perguntássemos se o mundo acabou, diriam que não, que tudo está como sempre foi. Parecem ser humanos saudáveis. De tempos em tempos, tem-se a impressão de que o mundo não é de todo real. Mas, no fundo, quem pode dizer que nunca provou essa sensação? Os computadores, aliás… Desde que se emanciparam… Vozes cada vez mais insistentes dizem que sentem fome e estão lentamente sugando a nossa energia para se manter vivos. Será apenas uma metáfora, um modo de dizer?

A REALIDADE DA FANTASIA
E se vivêssemos dentro de um software? A realidade poderia não ser composta de átomos, mas de estímulos criados artificialmente e seríamos inconscientemente “escravos” do computador. Para quem confia numa única raça humana, eis a novidade: Heart, o robô que ama ser mimado. A cada carícia, seu batimento cardíaco aumenta. Para o seu inventor, Heart é um exemplo de como as máquinas serão com o tempo cada vez mais similares a nós. E você, está pronto para amar um robô?

PREOCUPADOS?
Segundo os “futurologistas”, em 2084, nossas estradas serão vigiadas por policiais robôs. Quem estacionar em fila dupla ou em cima da calçada será pulverizado com um “gás”.

NA FICÇÃO
Matrix (The Matrix), Andy e L. Wachowski, 1999.
Blade runner – O caçador de andróides
(Blade runner), Ridley Scott, 1982.

EXTERMÍNIO
Numa manhã, Jim (Cillian Murphy) acorda em um leito de uma unidade de terapia intensiva. Como foi parar lá? Confuso, vaga pelos corredores desertos do hospital: os vidros estão quebrados e as camas, desarrumadas. Não há uma viva alma para explicar o que está acontecendo. Em busca de ajuda, ele anda pelas ruas da cidade e caminha entre os carros abandonados até que encontra um antigo jornal, no qual encontra a sua primeira resposta: todos partiram.

A Inglaterra inteira está contaminada por um vírus letal que é transmitido ao homem por chimpanzés enfurecidos. Os ataques começaram após um grupo de ativistas defensores do direito dos animais tê-los libertado de suas jaulas de um laboratório de pesquisas com primatas, embora tivesse sido alertado por um cientista que os macacos estavam infectados. Todas as pessoas que não foram contaminadas fugiram da cidade com medo de se infectar pelo agressivo vírus. A nação foi colocada em quarentena. Jim, porém, mal tem tempo de tirar os olhos do jornal, quando tem o seu primeiro desagradável encontro…

A REALIDADE DA FANTASIA
Para a Organização Mundial da Saúde, três são as condições de base de uma pandemia: o surgimento de um novo vírus, sua agressividade e sua… “paciência”. Essa última condição nos leva a refletir sobre a possibilidade de um ataque em vasta escala de um vírus como o Ebola, que em 70% dos casos leva à morte o doente antes que seu organismo tenha tempo de se defender… Por impressionar visualmente mais do que outros vírus (inclusive o da gripe suína), o Ebola inspirou muitos outros filmes de vírus hollywoodianos, assim como outras produções apocalípticas.

PREOCUPADOS?
O surgimento da engenharia genética nos coloca diante da possibilidade de se desenvolver qualquer tipo de vírus em laboratório, o que é um verdadeiro pesadelo. No fundo, porém, não é preciso olhar tão adiante no tempo: o mundo já tem as suas próprias pandemias – a fome e a sede, por exemplo…

NA FICÇÃO
Extermínio
(28 days later), Danny Boyle, Inglaterra, 2002.

SUNSHINE – ALERTA SOLAR
Os mais corajosos estão prontos para partir para uma missão que decidirá a sorte da humanidade. O Sol está se apagando. E se conseguíssemos prolongar um pouco a vida? Eis o plano: jogar uma enorme bomba nuclear no coração do nosso astro-rei para reativá-lo, retardando o nosso fim. Ao menos por mais um tempo. Ou vai ou racha: para fabricar a bomba são utilizados todos os materiais radioativos da Terra…

A REALIDADE DA FANTASIA
Daqui a uns milhões de anos, quando tiver esgotado todas as reservas de hidrogênio de seu núcleo, o Sol se tornará uma estrela de dimensões colossais. Sua “atmosfera” engolirá Vênus, Mercúrio e talvez também a Terra. Mudarmos para Marte não será de grande ajuda e, por enquanto, uma tecnologia que nos permita viajar além do Sistema Solar ainda é uma solução distante.

PREOCUPADOS?
Outra história à moda de O núcleo – missão ao centro da Terra. Tranquilize-se: não chegaremos a viver esse fatídico final.

NA FICÇÃO
Sunshine – Alerta solar
(Sunshine), Danny Boyle, 2007.

~ por Fabíola Musarra em Março 6, 2010.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: